Rio Preto registra mais de 200 batidas contra postes em um ano

0
Vítimas de acidente em Rio Preto (SP) foram socorridas na Avenida João Bernardino de Seixas — Foto: Arquivo Pessoal

De acordo com o levantamento, Rio Preto somou 212 ocorrências em 2018, redução de 10% frente a 2017. Neste ano a cidade já tem 72 ocorrências.

São José do Rio Preto (SP) registrou no ano passado mais de 200 batidas contra postes, segundo um levantamento da companhia de energia que abastece a cidade e grande parte do interior paulista.

De acordo com o levantamento, Rio Preto somou 212 ocorrências em 2018, redução de 10% frente a 2017. Em segundo lugar vem Olímpia, com 50 casos, aumento de 19% em relação ao ano anterior, e Mirassol, com 42 ocorrências, queda de 10%.

No acumulado de 2019, de janeiro a abril, os municípios da região somaram 98 registros de acidentes com postes. Rio Preto lidera a lista das cidades com mais acidentes de trânsito envolvendo postes da companhia com 72 ocorrências, seguido por Olímpia (12), Mirassol (9) e José Bonifácio (5).

Às vezes são batidas tão fortes que os postes são arrancados do chão. Como um que aconteceu em setembro do ano passado na Avenida Juscelino Kubitschek de Oliveira, em Rio Preto.

Câmeras de monitoramento registraram a batida. Uma mulher e o filho dela de 7 anos morreram. O marido que estava dirigindo e o outro filho sobreviveram. O motorista disse para a polícia que tinha bebido e estava brigando com a mulher.

Ele foi preso e conseguiu liberdade na audiência de custódia, mas vai responder por duplo homicídio.

Três meses depois, mais um acidente grave. Um carro com três pessoas bateu num poste na Avenida João Bernardino de Seixas e duas pessoas ficaram gravemente feridas. A polícia disse que o veículo estava em alta velocidade.

O capitão da Polícia Militar Ederson Merighi Pinha, especialista em trânsito, diz que a maioria dos casos está relacionada com a imprudência.

“Temos embriaguez ao volante que aumenta o risco e o celular, que hoje é uma epidemia. Antes do acidente tem uma infração de trânsito, via de regra é isso que acontece”, afirma o capitão.

Prejuízo

A cada vez que um poste é atingido por um veículo, pontos de energia ficam desabastecidos, pelo menos um quarteirão do bairro. “Por ter que refazer a rede de energia, substituir o poste, pelo menos três horas de interrupção de energia”, afirma o gerente da CPFL Clauber de Marchi Pazin.

Além do risco à segurança, os responsáveis pelos acidentes contra postes podem amargar prejuízos financeiros. Nos casos em que a distribuidora identifica o culpado legal, ele deve arcar com todas as despesas. “Em média de R$ 4 mil, se tiver equipamento da CPFL ou telefonia o valor pode chegar próximo a R$ 10 mil”, afirma Glauber.