Queda brusca no nível do Rio Batalha afeta captação de água em Bauru

0
Longo período de seca afeta nível de água do Rio Batalha em Bauru (SP) — Foto: Reprodução/TV TEM

Com o período de estiagem, o nível da lagoa de captação do Rio Batalha tem caído consideravelmente e pode afetar o abastecimento de água em Bauru (SP).

O rio é o único manancial de superfície da cidade e abastece cerca de 140 mil pessoas, o equivalente a 40% da população de Bauru.

O nível da lagoa, que estava em 2,93 metros no dia 1º do mês de agosto, amanheceu em 2,70 metros na segunda-feira (12).

Na manhã de quarta-feira (14), o nível já estava em 2,55 metros. O ideal para que a captação funcione da maneira adequada é de 3,16 metros.

A situação preocupa o Departamento de Água e Esgoto da cidade, que teme que o nível da lagoa chegue a 2 metros. O presidente do DAE Eliseu Areco explica que é provável que seja necessário fazer um racionamento.

“Nós trabalhamos num sistema de três bombas operando, então a gente vai estudar uma redução nessa vazão para que a gente possa preservar a qualidade do manancial durante o longo período de estiagem”, afirma o presidente.

Com isso, alguns bairros de Bauru podem ter o abastecimento de água prejudicados. Por isso, o presidente do DAE pede que “a população trabalhe na questão da economia de água na cidade”, especialmente na região abastecida pelo Rio Batalha, que engloba bairros como Jardim Ouro Verde, Jardim Ferraz, Independência, Vila Falcão, Industrial, Vila Giunta, Vila Pacífico, Alto Paraíso, Vila Dutra, Estoril, Jardim América, Altos da Cidade, Centro, Vila Universitária e parte da Vila Cardia..

Para tentar solucionar esse problema da falta de água e evitar que a população seja prejudicada, o presidente do DAE confirmou que a empresa está fazendo um plano de contingenciamento, que consiste na perfuração de poços na cidade.

“Nós inauguramos na semana passada dois poços, o Geisel e o Jardim América, que atua na bacia do Batalha e, através do plano de contingenciamento, leva a água de um poço a outro, distribuindo novamente dentro da cidade”, esclarece Eliseu.