Primeira McLaren Senna é entregue a empresário britânico

0
McLaren Senna 001 é entregue ao dono na Inglaterra (Foto: Divulgação)

Esportivo criado em homenagem ao piloto brasileiro custa cerca de R$ 8 milhões no Brasil.

O primeiro felizardo a receber uma McLaren Senna é o empresário britânico David Kyte, que ganhou a chave das mãos do presidente da montadora nesta semana e depois saiu para um “rolê” de 1.400 quilômetros com o piloto Bruno Senna colado na traseira em outra McLaren.

Kyte, de 57 anos, é um operador financeiro que ficou milionário na década de 1980 e agora gasta uma pequena parte da sua fortuna em esportivos.

Ele já havia customizado um McLaren P1 e trabalhou desde o primeiro dia para deixar a Senna 001 diferente de todas as outras.

“A McLaren já havia feito personalização em outras McLarens que possuo, mas isto foi um projeto muito mais complexo.”

Só a pintura da McLaren Senna 001 levou cerca de 600 horas, com detalhes como a assinatura de Ayrton Senna na porta e o desenho do circuito de Interlagos no capô, com o logo da McLaren na linha de chegada.

A entrega ocorreu na sede da fabrican em Woking, na Inglaterra. Em seguida, Kyte foi seguido por um comboio de outras três Sennas, uma 720S e uma 600LT, em direção ao circuito de Paul Ricard na França – um trajeto de 1.400 km.

Homenagem a Senna

O esportivo que pode chegar a 340 km/h é uma homenagem ao piloto Ayrton Senna, três vezes campeão de Fórmula 1 pilotando uma McLaren.

A McLaren Senna é empurrada por um motor V8 4.0 biturbo, que rende 800 cavalos de potência e faz o carro acelerar de 0 a 100 km/h em apenas 2,8 segundos.

Atingir 200 km/h leva apenas 6,8 segundos, graças à leveza do projeto (1.198 kg), muita tecnologia e aerodinâmica.

Sobrinho do tricampeão, Bruno Senna ajudou no desenvolvimento do modelo, que será limitado a apenas 500 unidades.

Duas delas já estão destinadas ao Brasil e com endereço certo. O preço pago por cada uma deve ficar em torno de R$ 8 milhões, com todos os impostos. A entrega por aqui deve ocorrer só em junho de 2019.