Presidente do Fernandópolis garante equipe na Segundona

0
Presidente Oclécio de Almeida Dutra (à esq.) na sede da Federação Paulista de Futebol — Foto: Divulgação/ Federação Paulita de Futebol

Apesar de seguir no torneio, atraso no pagamento do salários dos jogadores ainda depende de reunião; time entrará em campo contra o Bandeirante, no domingo, em Birigui

A greve dos jogadores do Fernandópolis está suspensa, pelo menos por enquanto. O presidente Oclécio de Almeida Dutra disse que o clube irá entrar em campo na última rodada da primeira fase da Segundona e, inicialmente, não existe mais possibilidade de deixar a competição.

A ameaça de abandonar a Segundona veio após os jogadores entrarem em greve por conta do atraso nos salários e relatarem que foram ameaçados pelo presidente com uma arma, o que foi negado pelo dirigente.

– O Fernandópolis entra em campo normalmente nesta rodada e estão treinando também. O presidente do conselho do clube, que também é presidente da Câmara Municipal, me pediu para fazermos uma reunião neste fim de semana com o prefeito e a promessa é que a prefeitura nos ajude com os custos de clube – disse Oclécio.

A reunião com a prefeitura de Fernandópolis servirá também para solucionar o atraso no pagamento dos salários. Segundo o presidente do Fefecê, a ameaça de abandonar o comando do clube mobilizou a administração pública da cidade.

– Acredito que agora vai dar um jeito, eles assustaram quando eu disse que não iria mais assumir o comando do Fernandópolis. Além de tudo, o time está fazendo uma bela campanha no campeonato, trouxemos jogadores caros e arcamos com toda as transferências – disse.

O Fernandópolis é o líder do Grupo 1 da Segundona do Campeonato Paulista – que na prática é a quarta divisão estadual -, e está classificado com antecedência para a próxima fase. Em 11 jogos, são sete vitórias, três empates e apenas uma derrota (o ônibus do Fefecê quebrou na estrada e o time não chegou a tempo para a partida). No domingo, às 10h, o time enfrenta o Bandeirante, no estádio Pedro Mari Berbel, em Birigui.