Polícia Federal investiga suposta invasão hacker a sistemas do TSE

0
A presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministra Rosa Weber, durante entrevista à imprensa em outubro — Foto: Nelson Jr/Ascom/TSE

Inquérito tem como base mensagens de hackers contando sobre acesso a sistemas internos, inclusive a aplicativo com dados de candidatos e eleitores; sindicância interna também foi aberta.

A Polícia Federal abriu inquérito para apurar uma suposta invasão a sistemas internos do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) por hackers.

A investigação foi pedida na última terça-feira (6) pela presidente da Corte, Rosa Weber, depois que o TSE recebeu e-mail do site TecMundo, especializado em notícias de tecnologia, com mensagens de hackers narrando como conseguiram invadir sistemas internos da Corte.

Além do inquérito na PF, o TSE também abriu uma sindicância interna para apurar o eventual envolvimento de funcionários ou colaboradores internos que possam ter facilitado a invasão.

Segundo o TecMundo, os invasores disseram ter conseguido acessar a intranet do TSE, obtendo informações privilegiadas e confidenciais, como troca de e-mails, envio de senhas para juízes, credenciais de acesso e também ao “Gedai-UE”.

Trata-se de um aplicativo instalado na urna “responsável por gerar os flashes de carga, de votação e mídias para a urna, além de receber e enviar as correspondências para os TREs [Tribunais Regionais Eleitorais]”, segundo a descrição oficial do programa.

Na prática, é o sistema que passa as informações sobre os candidatos aptos a serem votados numa determinada seção eleitoral, bem como dos eleitores habilitados a votar naquela urna.

Dentro do Gedai-UE, são gerados cartões de memória usados pelos técnicos dos TREs com as listas de listas de candidatos e eleitores, instaladas nas urnas a cada nova eleição.

Um dos hackers contou ao TecMundo ter conseguido acessar os sistemas internos por meio de vulnerabilidades em aplicações desenvolvidas pelo próprio TSE. Disse ter explorado a rede interna por meses, entrando em diferentes máquinas da Corte, com objetivo de compreender como funcionavam os sistemas de votação.

Disse ter conseguido “milhares de códigos-fontes, documentos sigilosos e até mesmo credenciais”, inclusive login de um dos ministros e do secretário de tecnologia do TSE.

Além das mensagens ao TSE, o TecMundo também encaminhou documentos obtidos pelos hackers, alguns deles exibidos em reportagem publicada no site no último dia 7.