Perícia é feita em rodovia onde acontecem rachas com charretes

0
Flagra foi registrado na Raposo Tavares em Mairinque — Foto: Reprodução

Perito do Instituto de Criminalística fez desenho em trecho onde flagrante foi feito para tentar apontar média de velocidade dos animais. Um dos suspeitos acompanhou o trabalho em Mairinque (SP).

Uma perícia foi realizada no quilômetro 65 da Rodovia Raposo Tavares, em Mairinque (SP), onde dois charreteiros foram flagrados fazendo um racha que terminou com a queda de um cavalo. O trabalho foi acompanhado pela Polícia Civil e um dos suspeitos.

De acordo com a delegada Fernanda Ueda, um desenhista técnico do Instituto de Criminalística realizou o croqui, um tipo de desenho do local, com ajuda do dono do cavalo branco que aparece no vídeo para tentar identificar o trajeto percorrido, distância e velocidade dos animais.

Além disso, duas pessoas que testemunharam o racha entre charretes foram ouvidas pela delegada nesta segunda-feira (8). Os dois estavam no carro de trás gravando a cena e deram a mesma versão dos homens que estavam nas charretes: a de que não era um racha e, sim, um exercício para os cavalos.

Ao todo, a polícia aguarda três laudos para anexar ao inquérito: sobre a velocidade, o desenho e das lesões sofridas pelos animais. Os dois homens não têm passagens por crimes.

Na quarta-feira (3), a Polícia Ambiental afirmou que a dupla deve responder por maus-tratos e cada um deverá pagar R$ 3 mil. Ainda segundo a polícia, viaturas intensificaram o patrulhamento na região para evitar que novas corridas sejam realizadas.

Relembre o caso

A “corrida” ganhou repercussão depois que um vídeo mostrou uma corrida que chegou a impedir o tráfego de veículos na rodovia. Um dos cavalos tropeçou e caiu em alta velocidade.

Já imagens divulgadas em redes sociais mostram que a prática de rachas entre charretes na Rodovia Raposo Tavares, no trecho que passa por Mairinque, é frequente.

A Polícia Rodoviária afirmou, em nota à TV TEM, que faz rondas no trecho, mas nunca flagrou a situação. O capitão Ednaldo Gaidukas afirma que quem flagrar a situação pode entrar em contato com o 190 para registrar a ocorrência e acionar a viatura.

Depois de ser identificado, um dos homens afirmou em depoimento que estava “exercitando os animais” na via. Além dos charreteiros, todos os envolvidos nas corridas serão investigados.

Cavalo de racha foi identificado pela Polícia Civil de Mairinque — Foto:  Polícia Civil/Divulgação
Cavalo de racha foi identificado pela Polícia Civil de Mairinque — Foto: Polícia Civil/Divulgação