Os Bastidores

0
bastidores - jornal bom dia
Foto: Divulgação

BICHO PEGANDO

A “bomba” do segundo turno da eleição presidencial é uma denúncia contra Jair Bolsonaro (PSL), que estaria sendo financiado por empresários para disparar através do aplicativo WhatsApp, mensagens negativas ao candidato do PT, Fernando Haddad. Segundo o PT, empresários teriam contratado para a próxima semana, o disparo de milhões de mensagens. O valor mínimo de contratos envolvidos seria de R$ 12 milhões.

PF E TSE

A denúncia deve chegar ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e a Polícia Federal (PF). O esquema envolveria o aplicativo WhatsApp e empresas de mídia digital, que têm capacidade para disparar milhões de mensagens em segundos. Fernando Haddad fala em cassar o registro da candidatura de Bolsonaro, além da prisão de empresários envolvidos. A notícia mobilizou a imprensa internacional.

ELEIÇÃO SUSPEITA

Para dirigentes do PT e PDT, este interessado na queda de Bolsonaro, a eleição no primeiro turno teria deixado uma sensação de fraude, já que Bolsonaro teria se utilizado de financiamento ilegal. A disputa vai às barras do TSE, que terá de decidir se mantem ou cassa o registro da candidatura de Bolsonaro.

TERGIVERSOU

Sérgio Moro, o juiz todo poderoso da Lava Jato, ao responder ao Conselho Nacional de Justiça sobre os motivos para divulgar a delação do ex-ministro Antonio Palocci, denunciando o PT e o ex-presidente da República, Lula, o magistrado afirmou que não pode interromper os seus trabalhos apenas porque há uma eleição em curso. Simples assim.

JUSTIFICOU

“Publicidade e transparência são fundamentais para a ação da Justiça e não deve o juiz atuar como guardião de segredos sombrios de agentes políticos suspeitos de corrupção. Se o depoimento, por hipótese, tem alguma influência nas eleições, ocultar a sua existência representa igual interferência a sua divulgação”, afirmou o juiz.