‘Nos obrigaram a tirar a roupa’, diz passageira de ônibus assaltado

0
Polícia Rodoviária e Pelotão de Choque de Maringá foram avisados do assalto (Foto: Reprodução / TV TEM)

Vítimas da região de Araçatuba (SP) foram roubadas em rodovia do Paraná.
Ocupantes tiveram que entregar dinheiro, celulares e objetos pessoais.

Os passageiros de Birigui (SP) que foram assaltados quando estavam em um ônibus de turismo na quinta-feira (15), em Santa Fé (PR), já voltaram para a cidade. Segundo a passageira Adriana de Brito, todos que estavam no ônibus foram presos no bagageiro e tiveram de ficar sem roupas. “Os assaltantes ficaram até ás 4h30 com a gente. Eles nos obrigaram a tirar a roupa e ficamos apenas de lingerie e os homens de cueca. Depois fomos todos trancados no bagageiro”, diz a autônoma.

O ônibus era ocupado por dois motoristas e 14 passageiros da região de Araçatuba (SP), sendo Birigui, Penápolis (SP) e Barbosa (SP). Eles iam ao Paraguai. De acordo com um dos motoristas, os assaltantes encostaram no ônibus atirando. “Eles encostaram com o carro ao lado do ônibus e gritaram para eu parar o veículo. Um dos assaltantes ficou comigo na frente e outros dois com os passageiros”, diz o motorista Flávio Eduardo.

Segundo o motorista, após a abordagem, o veículo foi levado para uma estrada de terra onde os passageiros foram obrigados a tirar a roupa e ficar a noite toda presos no bagageiro. Todos os ocupantes tiveram de entregaram dinheiro, celulares e outros objetos pessoais aos ladrões.

Durante uma operação da Polícia Rodoviária para prender quadrilhas especializadas em assaltos a ônibus, a Polícia Rodoviária do Paraná e o Pelotão de Choque de Maringá(PR) foram avisados do assalto e localizaram o veículo parado na estrada de terra. Houve perseguição policial e durante a fuga um dos criminosos foi morto.

Segundo a polícia, duas pessoas suspeitas de terem participado do assalto estão presas na delegacia do Paraná, onde devem prestar depoimento. Outras três pessoas ainda são procuradas pela polícia. A polícia vai investigar o caso.

DEIXE UMA RESPOSTA