Motorista que matou namorada estrangulada após briga tem prisão preventiva decretada

0
Homem estrangula namorada após festa de carnaval em Borborema — Foto: Redes sociais/Reprodução

G1 Bauru/Marília

A Justiça decretou a prisão preventiva do motorista que matou a namorada Thaís de Andrade, de 29 anos, estrangulada depois de uma briga, quando voltavam de uma festa de carnaval na madrugada desta terça-feira (5) em Borborema (SP).

Anderson Dornelos Urich de 25 anos já estava preso e foi levado para o Centro de Detenção Provisória (CDP) de Taiúva. Ele vai responder por feminicídio por motivo fútil.

O suspeito fugiu a pé logo após o crime, mas se entregou após conversar com a polícia. Segundo o delegado Daniel do Prado Gonçalves, o rapaz confessou que esganou e deu um soco na vítima.

Segundo a polícia, ele acreditava que a namorada estava apenas desmaiada. “Ele estava na saída da cidade. Um policial ligou e convenceu ele a se entregar. Não dissemos que ela tinha falecido. Na delegacia foi comunicado que ela estava morta”, explica o sargento da Polícia Militar, Antenor Batista Junior.
A polícia ainda disse que Anderson ligou para os pais logo após fugir. “Ele ligou para os pais dizendo que fez uma besteira e pediu para que o pai fosse até casa dele. Os pais que viram o corpo da nora e acionaram a PM”, conta o sargento.

O casal estava junto há pelo menos 5 anos, mas segundo a polícia, o relacionamento era conturbado e eles haviam terminado e reatado diversas vezes.

Crime

Thaís de Andrade morreu após ser estrangulada pelo namorado Anderson Dornelos Urich na madrugada de terça-feira (5). Segundo a polícia, o crime aconteceu na casa do casal, no Jardim Ouro Verde, após uma briga.

Familiares disseram que eles saíram no carnaval de rua e levaram a filha da balconista, de 14 anos, para casa da avó, mas quando chegaram em casa começaram a discutir e ele a estrangulou.

Ainda de acordo com a Polícia Militar, Anderson fugiu a pé logo após estrangular a vítima Thaís de Andrade e ligou para seu pai, que acionou a polícia. A vítima foi encontrada caída no chão com marcas no pescoço.

A polícia acredita que Anderson estava sob efeito de álcool quando cometeu o crime. “Não falava palavras muito conexas. Levamos ele para a delegacia e ele foi sem resistência”, comenta o sargento.

Na casa, a perícia encontrou cocaína. Exames toxicológicos devem apontar se o casal tinha consumido drogas ou bebida alcoólica.