Ministério Público pede prisão de Marinho Marte e determina pagamento de multa de R$ 1 milhão

0
MP pede prisão de Marinho Marte, ex-secretário municipal de Sorocaba (SP) (Foto: Facebook/Reprodução)

Marinho é investigado por supostas cobranças de parte dos salários de ex-assessores em Sorocaba (SP). Promotor afirma que ex-secretário e um assessor continuavam coagindo testemunhas

O Ministério Público de Sorocaba (SP) pediu a prisão do ex-secretário e vereador impedido de exercer Marinho Marte por desobediência e eventual coação de testemunhas em processo sobre “mensalinho.” O pedido, feito pelo promotor de Justiça Orlando Bastos Filho, foi protocolado no dia 5 de julho.

Ao G1, Marinho Marte informou que ele e o assessor estão dentro do prazo concedido para prestar as informações necessárias ao Ministério Público.

Ele é investigado por supostas cobranças de parte dos salários de ex-assessores do gabinete dele na Câmara Municipal. O MP protocolou denúncia quando Marinho era secretário de Relações Institucionais e Metropolitanas.

De acordo com documento, expedido em caráter de urgência, os réus – Marinho e um assessor – continuavam coagindo testemunhas no processo. No pedido, o promotor afirma que as testemunhas eram procuradas várias vezes ao dia como se ainda fossem servidores de Marinho Marte.

Vereador Marinho Marte questionou parecer que impedia a votação de Anselmo Neto (Foto: Eduardo Ribeiro Jr./G1)
Vereador Marinho Marte questionou parecer que impedia a votação de Anselmo Neto (Foto: Eduardo Ribeiro Jr./G1)

Além do pedido de prisão em flagrante dos réus por desobediência e eventual coação no curso do processo, o MP aplicou a multa de R$ 1,8 milhão por importunar as testemunhas.

O promotor explica no pedido que as testemunhas ouvidas pelo MP negaram na época que Marinho Marte cobrava parte dos salários deles, porém, após algum tempo, essas testemunhas voltaram atrás e disseram que eram obrigados a dar parte dos ganhos ao então vereador.

De acordo com o que está escrito no processo, um dos ex-assessores de Marinho continua cobrando dinheiro de uma assessora que trabalhava no gabinete do ex-vereador e ainda é funcionária da Câmara.

Investigação

Em novembro de 2017, o secretário foi denunciado pelo promotor Orlando Bastos Filho por tentar impedir as investigações sobre a cobrança de “mensalinho” dos assessores de gabinete, na época em que atuava no Legislativo.

De acordo com a denúncia, Marinho Marte teria ameaçado os assessores e cobrado parte do salário dos funcionários para pagar agência de publicidade nas redes sociais. O valor seria entre R$ 280 e R$ 300 por mês de cada assessor.

Na decisão, a Justiça determinou que todos os envolvidos mantenham um distanciamento de 100 metros, sob pena de multa de R$ 5 mil.

Marinho foi eleito vereador em 2016, pela nona vez consecutiva, mas está licenciado desde o início do ano para compor a equipe de governo do prefeito José Crespo (DEM).