Mercedes-Benz Classe A sedã virá do México para o Brasil no ano que vem

0
Mercedes Classe A sedã foi apresentado em Pequim (Foto: Divulgação)

Antes disso, modelo será apresentado no Salão de São Paulo, em novembro. Objetivo é evitar imposto de importação para ‘brigar’ melhor com o Audi A3 Sedan

A família de entrada da Mercedes-Benz vai crescer a partir do ano que vem. A fabricante alemã confirmou que lançará o Classe A sedã no Brasil no primeiro semestre de 2019.

Antes disso, a novidade estará no Salão do Automóvel de São Paulo, que acontece em novembro.

Qual é a do A sedã?

O Classe A sedã apareceu pela primeira vez no Salão de Pequim, em abril deste ano. Ele é o quinto integrante da família de compactos da marca. Hoje, há o Classe A hatch, o sedã com jeito de cupê CLA, o crossover GLA e o monovolume Classe B.

Na China, ele será vendido com carroceria longa, com 4,61 metros de comprimento e 2,79 m de entre-eixos. A versão brasileira terá entre-eixos de 2,73 m, assim como no hatch. O porta-malas será de 420 litros.

Motorizações e equipamentos ainda não foram definidos. Mas ele deve trazer o novo 1.4 turbo de 163 cavalos, desenvolvido junto com a Renault, e o 2.0 turbo de 227 cv.

Vantagem comercial

O Classe A sedã será produzido no México. Com isso, chegará ao Brasil sem pagar imposto de importação, fruto de acordo comercial com o país latino-americano. Essa condição será um fator decisivo na hora de definir preços e volumes do novo modelo, que tem grande importância para a Mercedes.

“O Classe A sedã faz parte dos nossos planos. O CLA, que não é bem um sedã, abriu esse mercado para nós. Agora, vamos continuar a disputar esse segmento, com um novo produto”, disse o gerente de vendas da Mercedes-Benz, Dirlei Dias.

A fala do executivo ajuda a entender a ambição da Mercedes com o Classe A sedã. Hoje, o CLA não é capaz de fazer frente ao Audi A3 Sedan, o único sedã compacto das fabricantes premium alemãs.

Como o A3 Sedan é nacional, obviamente não paga imposto de importação. Ele custa entre R$ 120.990 e R$ 166.990. Já o CLA, que vem da Alemanha, tem seu preço afetado pela taxação. Sua tabela vai de R$ 137.900 a R$ 235.900.

CLA segue em linha

No ano passado, enquanto o A3 Sedan teve 2,8 mil unidades emplacadas, o CLA vendeu menos de 500 exemplares. A Mercedes até reduziu a desvantagem este ano, lançando uma nova versão de entrada do CLA, com motor de 122 cavalos e menos itens de série.

Ainda assim, entre janeiro e junho deste ano, o CLA continuou sendo derrotado pelo rival da Audi. Com o Classe A sedã, a Mercedes deve ter um produto mais adequado para a briga no segmento.

Mas isso não quer dizer que o CLA vai morrer. “Quando queremos aumentar nossas vendas, não podemos substituir um produto por outro. Temos que ter novos carros. Então, o CLA vai continuar a ser vendido, junto com o Classe A sedã”, completou Dias.