Mãe busca na Justiça repatriar filha levada por pai americano para os Estados Unidos

0
Casal com a criança quando o pai jogava em time de futebol americano em Rio Preto (Foto: Reprodução/TV TEM)

Casal se conheceu em São José do Rio Preto (SP), onde rapaz veio jogar futebol americano. Mãe deixou filha ir conhecer avós paternos com a esperança de ir para lá também.

Uma mãe, moradora de São José do Rio Preto (SP), entrou com uma ação na Justiça para tentar trazer a filha de volta dos Estados Unidos. A criança tem um ano e foi para o país com o pai há seis meses.

A menina foi com o pai, americano, para o Texas conhecer os avós paternos. Segundo Dajna, o combinado com o pai era de que a jovem também fosse para lá.

Os dois se conheceram em São José do Rio Preto (SP), onde o rapaz jogava futebol americano por um time da cidade.

“Como eu não consegui o visto, depois de duas tentativas, ele queria levar nossa filha para conhecer os avós, os pais dele. O combinado foi esse, eu a deixei ir porque eu estaria lá em três meses. Três meses dá para aguentar e eu poderia ir”, afirma.

Mas até agora ela não conseguiu o visto para entrar nos Estados Unidos por dois motivos: o primeiro é que como ela tem uma filha com americano, o consulado não concede visto de turista. A alternativa seria conseguir o visto de noiva, já que eles moravam juntos.

Mas só depois de saber dessa possibilidade, Dajna descobriu que o companheiro foi casado nos Estados Unidos e ainda não fez o divórcio.

“Fui descobrir isso até no ano passado, a gente já estava junto, já tinha filho, ele tinha explicado que não fez o divórcio porque lá é muito caro e tinha toda burocracia, mas que não tinha nada mais com ela”, afirma a mulher.

Mesmo assim, Dajna autorizou que a filha viajasse com o pai. Em um vídeo, gravado pelos avós maternos, mostra a despedida no dia do embarque (veja vídeo acima).

Segundo Dajna, depois que Jaylen chegou em território americano, ele terminou o namoro e agora se recusa a trazer a menina de volta.

Jaylen conversou com a TV TEM por chamada de vídeo. Ele negou que teve a intenção de enganar a ex-companheira e disse que pretende levar Dajna para viver no Texas.

“O plano é trazer Dajna para a América. Assim que possível, mas não dá para colocar uma data, porque na América as coisas não funcionam assim. Trazer alguém legalmente para o país leva tempo, fica caro”, diz o americano.

Em mensagem de texto que mandou para Dajna, um dia antes de dar entrevista para a TV TEM, Jaylen foi enfático. “Eu não estou tentando voltar para o Brasil porque você está ameaçando me levar à Justiça e tomar a menina e provavelmente você não vai deixá-la voltar pra cá”.

Dajna, mãe da criança, está no Brasil e quer reaver a guarda da criança (Foto: Reprodução/TV TEM)
Dajna, mãe da criança, está no Brasil e quer reaver a guarda da criança (Foto: Reprodução/TV TEM)

Caso na polícia

A disputa foi parar na polícia quando a mãe fez um boletim de ocorrência – não criminal – pedindo a garantia dos direitos da guarda da criança. A advogada da mãe da criança também fez uma representação junto ao Departamento Americano para assuntos consulares, pedindo assistência para repatriação da menina.

O Itamaraty se manifestou a respeito do caso e disse que uma convenção, chamada de Convenção de Haia, do qual o Brasil é signatário, é muito clara e diz que a guarda da criança deve ser decidida no país de origem, e não de acordo com a vontade do pai.

Portanto é a justiça brasileira quem vai determinar se a criança vai ficar com o pai lá nos Estados Unidos, ou no Brasil com a mãe.

Bem estar da criança

Para o juiz da Vara da Infância e Juventude de Rio Preto, Evandro Pelarin, independentemente se o caso vai ser julgado no Brasil ou nos Estados Unidos, o que vai ser levado em conta é o bem estar da criança.

“A lei internacional sobre o assunto, alega o interesse da criança, o interesse superior da criança. Então a indagação que vai ser feita lá e com certeza a daqui, é o melhor interesse da criança. Esse é o primeiro ponto se não houver acordo entre eles”, diz o juiz.

Mãe chegou a registrar um boletim de ocorrência do caso (Foto: Reprodução/TV TEM)
MÃE CHEGOU A REGISTRAR UM BOLETIM DE OCORRÊNCIA DO CASO (FOTO: REPRODUÇÃO/TV TEM)