Laudo descarta pane seca como causa da queda de avião que matou três pessoas em Rio Preto

0
Avião caiu no quintal de uma casa em São José do Rio Preto (SP), após decolar de aeroporto em Tangará da Serra (MT) — Foto: Arquivo Pessoal

Apesar da conclusão, documento do Instituto de Criminalística considera hipóteses de pouco combustível e de falhas humana ou mecânica. Acidente que matou três pessoas completa um ano e investigação segue sem conclusão.

Um laudo do Instituto de Criminalística descarta pane seca como possível causa da queda do avião que matou três pessoas em São José do Rio Preto (SP) há um ano, em 9 de outubro de 2017. A aeronave saiu de Tangará da Serra (MT) e caiu no quintal de uma casa, a 300 metros do aeroporto de Rio Preto.

De acordo com o documento, no local do acidente havia forte odor de combustível e os bombeiros faziam limpeza do produto derramado, por isso não é possível afirmar que a causa do acidente foi por pane seca.

Laudo do Instituto de Criminalística aponta ossíveis causas do acidente aéreo que matou três pessoas em Rio Preto (SP) — Foto: Divulgação
Laudo do Instituto de Criminalística aponta ossíveis causas do acidente aéreo que matou três pessoas em Rio Preto (SP) — Foto: Divulgação

O laudo não descarta também a possibilidade de haver pouco combustível nas asas da aeronave, possibilitando uma eventual falha do motor durante a manobra de voo. Também não é descartada a hipótese de falha mecânica ou humana.

A assessoria de imprensa da Força Aérea Brasileira (FAB) informou, em abril deste ano, que no reporte preliminar, espécie de relatório, indicava que a possível causa da queda do avião foi falta de combustível. Ainda conforme a FAB, as informações são superficiais e coletadas a partir das evidências do acidente.

O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) também investiga a causa do acidente. A investigação não tem previsão para ser finalizada porque depende da complexidade do acidente, segundo a Força Aérea Brasileira (FAB).

O inquérito deste caso foi encaminhado ao Fórum na segunda-feira (8) e o promotor deve ter acesso ao documento ainda esta semana.

Avião foi retirado da casa onde caiu, em São José do Rio Preto — Foto: Gridânia Brait/TV TEM/Arquivo
Avião foi retirado da casa onde caiu, em São José do Rio Preto — Foto: Gridânia Brait/TV TEM/Arquivo

O acidente

O monomotor, de prefixo PT-DDB, saiu de Tangará da Serra na manhã do dia 9 de outubro de 2017 com destino a Rio Preto, mas caiu a 300 metros do aeroporto, por circunstâncias ainda desconhecidas.

  • Veja o perfil das vítimas do acidente aéreo em Rio Preto
William Rayes, Allyson Lima e Caique Caciolato morreram na queda de um monomotor em Rio Preto — Foto: Arquivo Pessoal
William Rayes, Allyson Lima e Caique Caciolato morreram na queda de um monomotor em Rio Preto — Foto: Arquivo Pessoal

Nele estavam o piloto William Rayes Sakr, de 58 anos, o médico Allyson Lima Verciano, de 33, e o empresário Caique Caciolato, de 25. Os três morreram com o impacto da aeronave no solo.

O avião se chocou “de bico” no quintal da residência. Parte da asa ficou dentro da piscina da casa.

Técnicos do Cenipa retiraram o motor e algumas peças do monomotor no dia seguinte ao acidente para investigar o caso.

Aeronave caiu no quintal de uma casa em Rio Preto — Foto: Arquivo pessoal
Aeronave caiu no quintal de uma casa em Rio Preto — Foto: Arquivo pessoal
Avião caiu de 'bico' no quintal de uma casa em São José do Rio Preto — Foto: Arquivo Pessoal
Avião caiu de ‘bico’ no quintal de uma casa em São José do Rio Preto — Foto: Arquivo Pessoal
Casa onde avião caiu fica a creca de 300 metros do aeroporto de Rio Preto — Foto: Reprodução/Google Street View
Casa onde avião caiu fica a creca de 300 metros do aeroporto de Rio Preto — Foto: Reprodução/Google Street View