Justiça faz audiência sobre caso de delegado assassinado em Rio Preto

0
Guerino Solfa Neto era chefe do Setor de Inteligência do Deinter-5 (Foto: Reprodução/Facebook)

Delegado da Polícia Civil, Guerino Solfa Neto, foi morto a tiros, no dia 25 de junho do ano passado.

A Justiça de São José do Rio Preto (SP) faz audiência nesta quarta-feira (17) do caso Guerino Solfa Neto, delegado da Polícia Civil que foi assassinado no dia 25 de junho do ano passado. A audiência está marcada para começar às 13h30 na 5ª vara criminal.

Segundo informações obtidas pela TV TEM no Fórum, esta será uma audiência de instrução e foram arroladas oito testemunhas comuns, de acusação e de defesa, que serão ouvidas. Os mesmos acusados já foram ouvidos em outra audiência, sobre o roubo de um veículo cometido horas antes da morte do delegado. O processo corre como latrocínio, roubo seguido de morte.

A reconstituição do crime foi feita no dia 13 de julho do ano passado. Cerca de 30 policiais participaram da ação e peritos de São Paulo vieram à cidade para trabalhar e refazer o trajeto dos criminosos no dia do assassinato.

Entenda o caso

O delegado do Deinter-5, Guerino Solfa Neto, de 43, anos, foi encontrado morto, com um fio de celular amarrado em uma das mãos e com marcas de tiros às margens de uma vicinal da rodovia Washington Luís, em Rio Preto, na noite de sábado, 25 de junho de 2016.

A caminhonete do delegado foi localizada, na noite do dia 26 de junho, em Capão Redondo e três dias depois do crime a polícia prendeu o suspeito Abner Saulo Oliveira Calixto, em São Paulo. Na manhã do dia 30 de junho, o segundo suspeito de participar do assassinato foi identificado no Centro de Progressão Penitenciária (CPP) de Rio Preto. Rodrigo Costa já cumpria pena por tráfico de drogas, mas estava de saidinha temporária na hora do crime.

Segundo informações da polícia, Rodrigo confessou ter participado do crime com Abner Calixto. A Polícia Civil acredita que os dois acusados mataram o delegado por não saberem que ele era policial no momento da abordagem para o assalto. Segundo a polícia, um terceiro homem participou do crime ao ajudar os outros dois a fugir. Elias Fernandes Nascimento, de 18 anos, foi preso em Ipiguá (SP) no dia 5 de julho do ano passado.

No dia 4 de julho, um rapaz de 21 anos foi preso no Jardim Maria Lúcia, em Rio Preto, após divulgar em um grupo no WhatsApp fotos do corpo do delegado. Segundo a polícia, o jovem compartilhou a foto e escreveu: “Delegado bom é delegado morto”.

Policial leva um dos suspeitos durante a reconstituição do crime (Foto: Reprodução/ TV TEM)
Policial leva um dos suspeitos durante a reconstituição do crime (Foto: Reprodução/ TV TEM)