João Paulo Rillo fala em aproveitar o máximo da estrutura já existente e quer mais produtividade e garante que seu partido investiu em Rio Preto muito mais recursos que o PSDB

0
João Paulo Rillo(PT) candidato a Prefeito em Rio Preto e o jornalista Luiz Storino

Por Luiz Storino

luizstorino@grupobomdia.com.br

João Paulo Rillo fala em aproveitar o máximo da estrutura já  existente e quer mais produtividade   e garante que seu partido investiu em Rio Preto muito mais recursos que o PSDB

joao 1
Rillo(PT) em entrevista ao JORNAL BOM DIA

O deputado João Paulo  Rillo continua no PT e defende com unhas e dentes seu partido. Nesta entrevista ao jornalista Luiz Storino  ele  critica os que promovem um bombardeio constante a afirmando que o PT é o culpado por tudo de ruim neste país. Aqui ele contesta e mostra que o PT investiu através de Brasília muito mais dinheiro em Rio Preto que os governos do PSDB federal e estadual. Também não vê problemas em encarar o eleitor e não dispensa apoio de Lula e Dilma. Além da política, o deputado fala do seu projeto de criação da Região Metropolitana de Rio Preto, que deve ser sancionado pelo governador de São Paulo e recebe apoio até dos adversários políticos. O deputado defende o melhor aproveitamento dos espaços urbanos na cidade  e  maior produtividade nos serviços prestados. João Paulo, casado, com um filho  já foi vereador e está na Assembleia Legislativa em seu segundo mandato. Ele é mais um convidado do Canal 26 TV Viva e do Jornal Bom Dia que fazem uma entrevista com os candidatos a prefeito de Rio Preto.

Bom dia: Por que o senhor que ser prefeito de Rio Preto?

João Paulo: Dou sequência a um projeto que foi iniciado em 2008,  iniciado com o ex-prefeito Manoel Antunes que me incentivou quando fui candidato de Rio Preto. Meu sonho é transformar a região de Rio Preto em Região Metropolitana, um projeto que iniciei e será concretizado. Rio Preto tem que ser a cidade líder e precisa melhorar muito em vários aspectos, como na área da saúde. Tenho condições de oferecer  um serviço melhor, também com relação a juventude, Rio Preto perde jovens talentosos para outros lugares, porque não tem aqui uma perspectiva de crescimento. Sou rio-pretense nascido aqui e  amo minha cidade.

Bom Dia: Sobre a Região Metropolitana, o governador Alkmin  alega que não poderia sancionar o projeto pois aqui não existe uma grande quantidade de municípios reunidos e interligados.  Isto é porque o senhor é oposição dele?

João Paulo: O governador politizou a questão. Na realidade o governo de São Paulo não entende Rio Preto como uma cidade estratégica . Ele é fraco em termos de desenvolvimento regional. Ao contrário do Governo Federal que investiu pesado na cidade. Ele alegava que a região não é columbarda. Qual a comlurbação que existe  entre São José dos Campos e o Caraguatatuba? Tem uma serra no meio. O mesmo argumento usou para Ribeirão, que é menos comlubarda  que Rio Preto. O mesmo acontece com Sorocaba que tem poucas cidades ao redor.

Bom Dia: Acredita na sanção do projeto?

João Paulo: Sim, com tanta pressão inclusive de todas as bancadas e com os aliados do governador aqui na região, com certeza a região metropolitana de Rio Preto sai.

Bom dia: Deputado João Paulo o governo federal investiu muito dinheiro na cidade, como será o argumento que os recursos saíram do governo do PT, enquanto aqui os seus adversários dizem que isto foi por causa da articulação deles. O dinheiro, na realidade não é do povo brasileiro, não de partidos e governos?

João Paulo:  O dinheiro é do povo brasileiro, mas o que a gente faz é uma comparação entre governos. O que o governo Fernando Henrique Cardoso investiu aqui? E o senador Aloisio Nunes era ministro, da Justiça e da Casa Civil. Então esta discussão precisa ser colocada em pauta. A diferença entre os dois governos é muito grande, constrangedor comparar. Inclusive se fizermos uma comparação entre os investimentos do governo estadual a diferença muito grande.

Bom Dia: E as críticas sobre o seu partido?

João Paulo:  Existe um ataque pontual contra nós. Esquecem que o governo do PT foi quem equipou e iniciou as investigações com a Polícia Federal foi  através  da presidente Dilma.  O ataque é seletivo contra um único partido, isto não é saudável.

Bom Dia: E com relação ao PT  senhor faz críticas internas?

João Paulo: Eu cobro muito o meu partido, peço uma reavaliação dos erros, faço críticas internas, o que não concordo e todo mundo achar que somente o PT que cometeu os erros. Faço tudo isto com muita tranquilidade, tenho  conflitos internos. A democracia brasileira se desenvolveu com o PT, o partido teve uma participação importante. Existe uma história fantasiosa que a corrupção é de um partido só, “mata-se o PT e a corrupção acaba” absurdo imaginar isto.

Bom Dia: O senhor está batendo nesta tecla na campanha eleitoral?

João Paulo: Tenho  pouco tempo, mas estou lembrando que o tratamento de esgoto no Governo Edinho foi feito com dinheiro repassado pelo presidente Lula, o governo do PSDB, anterior não apostou em infraestrutura. Estamos com recursos federais  que construíram 10 mil casas, revitalização do calçadão, parte veio do governo Dilma, bem como a reforma do aeroporto. Acho estranho tanto ataque surge contra nós. O PT só tem gente que erra?

Bom Dia: E a corrupção que assola o país? Qual sua opinião?

João Paulo: o Mensalão não começou no governo do PT. O operador Marcos Valério era o operador do PSDB| de Minas Gerais, a Petrobrás, o esquema vem do Sarney. Infelizmente alguns filiados do PT se desvirtuaram e  vão pagar por isto. Não se pode punir uma família inteira, quando um dos membros se desvirtua. Isto não vou  admitir nunca.

Bom Dia: Voltamos às eleições, em 2008 o senhor estava à  frente das pesquisas, com 10% e acabou perdendo em uma semana. Que lição ficou?

João Paulo: Pagamos pela inexperiência  da época, saímos lá de trás nas pesquisas e fomos a liderança. Acho também que o poder econômico na época nos atropelou. Fizeram terrorismo.

Bom Dia:  A visita na época da presidente Dilma com uma declaração sobre a construção de um anel ferroviário e ela teria negado, atrapalhou?

João Paulo: Distorceram a entrevista dela. A presidente foi sincera e não se comprometeu em fazer algo que não tinha orçamento, foi verdadeira . Não quis fazer promessa, fomos corretos. Mas boa  parte dos projetos que estavam no meu programa de governo foram feitos  pelo prefeito Valdomiro. Como a drenagem na cidade, conter águas nas cabeceiras, bem como mobilidade urbana,  o viaduto  do Vetorazzo,  defendi estas obras em Brasília.  Isto é importante, trabalhei no governo federal e sempre lutei  por estas obras em Brasília  não importando qual governo estivesse  no poder.

Bom Dia: Com estes problemas envolvendo o PT o senhor pretende pedir apoio ao presidente Lula por  exemplo?

João Paulo:   Tenho pouco tempo, mas não teria problema em colocar Lula ou a presidente Dilma afinal sou do PT.  Continuei no partido, não mudei, sou coerente. A população não perdoa incoerência e covardia. Temos uma militância atuante aqui na cidade.

Bom Dia: Como será a escolha do candidato pelo eleitor?

João Paulo:   O cidadão não define voto por obras feitas por governos ou por apoios deste ou daquele. A confiança no candidato e o que ele está dizendo são  levados em conta.

Bom Dia: Vamos falar sobre os seus planos de governo, o que pretende fazer?

João Paulo: Aqui tem uma  boa estrutura urbana, mas é mal planejada. Foram incluídas muitas áreas no perímetro urbano. O município tem uma quantidade imensa de  áreas. Ficaram longe um bairro  do outro, existem vazios entre estes espaços. . Isto encarece para levar infraestrutura. Rio Preto ficou  uma cidade cara para levar benefícios. Temos que aproveitar o que existe.

Bom Dia: Como o espaço físico? Escolas e hospitais?

João Paulo:  O espaço físico precisa ser  melhor  explorado. Se existe um hospital vamos melhorar o atendimento dele, capacitar seu pessoal, atender mais. Uma escola que não está funcionando em um horário, este horário precisa ser aproveitado com cursos de capacitação nos finais de semana  por exemplo. Também é preciso  instalar um sistema de informática para interligar os postos.

Bom Dia: E a questão dos buracos

João Paulo: A cidade tem uma gestão péssima. Precisa de manutenção permanente. Onde só fazem tapa buracos, às vezes, é preciso de um recapeamento. A cidade perde o tempo em discutir buracos, na realidade precisávamos estar discutindo outras coisas. O governo deveria estar discutindo da porta para fora. Em fazer novas UBS, cuidar das praças, novos investimentos culturais, entre outros.

Bom Dia: E a questão cultural?

João Paulo: Nos últimos anos as coisas pioraram muito. Me  lembro  na época do professor Manoel Antunes que os festivais de teatro eram mais atuantes. Na época, a secretária era a professora Carmem Soler Acorsi que fez um excelente trabalho. Os recursos eram poucos, mas funcionava. Vimos que ao longo do tempo tentaram sofisticar e agora está praticamente sem atividades. O orçamento da cultura é pífio, nenhum governo constituiu um fundo para as atividades culturais, não vimos um conselho atuante e deliberativo para o setor. O jovem que é formado na cultura, ele é um cidadão que estará preparado para a vida. Vou criar um fundo e uma cadeia para o fomento da cultura. Também não podemos deixar de ocupar o ano todo os espaços públicos com atividades constantes.

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA