Irmã que viu personal ser morta a facadas relata ataque de casal: ‘Muito difícil esquecer’

0
Ana ao lado de Andressa — Foto: Arquivo Pessoal

A irmã da personal trainer Andressa Serantoni, de 28 anos, que foi morta a facadas por um casal de vizinhos, presenciou o crime registrado na última quarta-feira (12), em São José do Rio Preto (SP).

Joel Fernandes Santos e Sidileide Normanha da Paixão Santos foram presos em flagrante depois de cometerem o homicídio. Os dois tiveram a prisão preventiva decretada durante audiência de custódia e permanecem à disposição da Justiça.

Ana Luiza Serantoni Zacaron, de 18 anos, conta que estava deitada quando escutou a irmã estacionar a moto na frente da casa da mãe, no bairro Vila Anchieta.

Em seguida, ela ouviu Andressa perguntando para Sidileide o motivo de estar sendo gravada com o celular e resolveu sair do imóvel para ver o que estava acontecendo.

“A mulher já estava filmando e o marido encostado no portão deles, olhando. “Ela [Andressa] perguntou novamente “por que você está me filmando?”. A mulher começou a gritar igual uma louca, perguntando se “ela [Andressa] era de uma máfia e não podia ser filmada”, afirma a jovem.

“Minha irmã respondeu que não estava entendendo. Então, a mulher foi indo para cima dela. Eu falei ‘Andressa, deixa quieto, deixa filmar’. A mulher já veio cercando minha irmã e disse para o marido ‘pega lá para a gente resolver’. Foi tudo muito rápido”, complementa.

Ana relata que Sidileide segurou Andressa. Joel, então, pegou duas facas no carro e foi correndo em direção à vítima, que não viu o homem se aproximando.

“Ele deu a primeira facada nela. Eu conseguia ver ele [Joel] tirando e enfiando a faca muito rápido. A mulher veio tentar me puxar. Eu a empurrei e fechei o portão, mas conseguia ver. A mulher também pegou a faca e começou a esfaquear minha irmã”, conta.

Andressa morreu após ser esfaqueada em bairro de Rio Preto  — Foto: Reprodução/Instagram
Andressa morreu após ser esfaqueada em bairro de Rio Preto — Foto: Reprodução/Instagram

Assustada, a jovem relembra que entrou no imóvel da família para pedir ajuda e começou a escutar gritos do lado de fora.

“Voltei lá para fora e vi os vizinhos jogando cadeiras. Eles também quase foram esfaqueados. O casal já tinha entrado para dentro de casa. A hora que eu voltei, ela [Andressa] já estava morta. Minha irmã trocou duas palavras com o casal e foi morta”, diz.

Andressa foi morta com mais de 30 golpes, que se concentraram na região do pescoço e tórax. Contudo, também foram identificadas lesões de defesa nas mãos e nos braços da vítima. O corpo dela foi velado e enterrado no cemitério Jardim da Paz.

Ainda abalada com a morte precoce da irmã, Ana afirma que Andressa trabalhava muito e tinha diversos sonhos, que foram interrompidos.

“Ela começava a dar aulas às 5h e terminava às 21h. A meta dela era comprar um carro e construir a família dela. Ela já estava noiva, queria ter filho. O sonho da vida dela era casar na igreja e estava investindo muito na carreira de personal”, diz a jovem.

“Vai ser muito difícil seguir a vida sem ela, porque ela era a pessoa mais importante da minha vida, sem dúvidas. A gente tinha uma ligação muito forte. Minha mãe está muito abalada. Nós lembramos dela em qualquer coisa que fazemos. Como eu vi a cena, é muito difícil esquecer. Tento pensar nas coisas boas que ela fez, o jeito que ela cuidava de mim”.

Ana tem uma tatuagem que foi feita junto com a irmã  — Foto: Arquivo Pessoal
Ana tem uma tatuagem que foi feita junto com a irmã — Foto: Arquivo Pessoal

Prisão

Depois de cometerem o crime, Joel e Sidileide se esconderam em casa. A Polícia Militar foi acionada, pulou o muro da residência e encontrou o casal acompanhado dos filhos, que possuem idades entre 4 e 12 anos.

Os dois foram presos, levados à delegacia e autuados por homicídio qualificado por motivo fútil. Eles passaram por audiência de custódia e tiveram a prisão convertida em preventiva.

O homem foi levado ao Centro de Detenção Provisória (CDP) de Rio Preto. A mulher permanece à disposição da Justiça na Cadeia Feminina de Nhandeara (SP). Os filhos do casal foram levados ao Conselho Tutelar e encaminhados para um abrigo do município.

Passagem pela polícia

Joel responde na Justiça por uma tentativa de homicídio contra um vizinho, em 2015. De acordo com o processo, o criminoso tentou matar um homem no bairro Maria Lúcia, também em Rio Preto.

Na ocasião, ele discutiu agrediu a vítima com um facão, mas ela conseguiu escapar. O motivo seria o barulho na casa da vítima.

O suspeito responde a esse crime em liberdade e deve ir a júri popular. O Tribunal de Justiça ainda não marcou o julgamento. O advogado de defesa de Joel neste caso disse ao G1 que tramita recurso para derrubar uma das duas qualificadoras do crime.

Casal acusado de assassinar personal trainer cumpre prisão preventiva

00:00/01:50

Casal acusado de assassinar personal trainer cumpre prisão preventiva