Incêndio em loja que matou bombeiro completa um mês e causa continua sendo investigada

0
Após um mês, loja que pegou fogo está com tapumes em Araçatuba — Foto: Reprodução/TV TEM

O incêndio a uma loja de produtos importados em Araçatuba (SP) completou um mês no domingo (12) e, por enquanto, não é possível afirmar onde o fogo começou. O laudo do Instituto de Criminalística ainda não ficou pronto. No incêndio, um bombeiro morreu e outro ainda está internado.

No local, os tapumes em frente à loja mudaram o cenário do Calçadão e fazem lembrar da tragédia. Os bombeiros demoraram mais de cinco horas para controlar o incêndio. Um prédio ao lado onde há três lojas precisou ficar interditado por uma semana.

O comerciante Josafat da Silva e Souza, dono de uma lanchonete e de uma sorveteria, calcula que teve um prejuízo de quase R$ 70 mil. Aos poucos ele está voltando a rotina. “Devagar estamos voltando com o público que a gente tinha, mas ainda não é a mesma coisa, esperamos que volte ao normal o quanto antes”, afirma.

Loja ficou completamente destruída com o incêndio — Foto: Reprodução/TV TEM
Loja ficou completamente destruída com o incêndio — Foto: Reprodução/TV TEM

Homenagem

Durante o combate ao fogo, o tenente Alex Silva de Abreu teve queimaduras de terceira grau pelo corpo. Um vídeo registrou o momento do resgate dele. Ele chegou a ser transferido com helicóptero Águia da Santa Casa de Araçatuba para um hospital especializado em queimaduras em Bauru (SP). Ele continua internado.

O sargento Júlio Cesar Delfino, de 33 anos, não teve a mesma sorte e acabou morrendo durante o combate às chamas. Ele era casado e deixou duas filhas, uma de 2 e outra de 6 anos.

Durante a sessão na Câmara dos vereadores nesta segunda-feira (13) ele foi lembrado e homenageado. A mulher do sargento Delfino, as duas filhas dele, parentes e colegas do Corpo de Bombeiros acompanharam o voto de pesar.

A mulher dele lembrou o amor que o marido tinha pela profissão e pela família. “Quando penso em esmorecer, cair, não posso chorar perto delas, então acabo tendo forças para seguir por elas. Ele vivia e respirava todo dia por nós, por mim e pelas meninas”, afirma a mulher do sargento, Ariane Alves de Oliveira Delfino.

Chamas saem da loja e formam uma coluna de fumaça preta — Foto: Arquivo Pessoal
Chamas saem da loja e formam uma coluna de fumaça preta — Foto: Arquivo Pessoal

Bombeiro morreu durante combate a incêndio em Araçatuba — Foto: Arquivo Pessoal
Bombeiro morreu durante combate a incêndio em Araçatuba — Foto: Arquivo Pessoal