Governo de SP deve anunciar nesta quarta mais regiões do estado na fase vermelha, após recorde de mortes e internados

0

Após São Paulo bater recorde de mortos por Covid-19 e internados com a doença, o governo paulista deve anunciar nesta quarta-feira (3) que mais regiões do estado vão para a fase vermelha, a mais restritiva do Plano SP de flexibilização econômica.

Nesta terça (2), ao ser questionado sobre possibilidade de lockdown, o governador, João Doria (PSDB), afirmou que não descarta nenhuma medida.

Atualmente, seis regiões do estado estão na fase vermelha:

  • Araraquara
  • Bauru
  • Barretos
  • Presidente Prudente
  • Ribeirão Preto
  • Marília

O anúncio das regiões que serão rebaixadas será feito no início da tarde, em coletiva de imprensa do governo.

A reclassificação atende a pedido do Centro de Contingência do Coronavírus e dos prefeitos do estado, que, em reunião nesta terça, pediram ações mais efetivas para conter o avanço da doença.

A fase vermelha é a mais restritiva do Plano SP e permite o funcionamento apenas de setores essenciais da economia, como farmácias, supermercados, postos de combustível e transportes coletivos, como ônibus, trens e metrô (veja mais abaixo).

Na atual configuração da fase vermelha, as escolas podem continuar recebendo alunos com o limite máximo de 35% da capacidade. Nesta terça (2), no entanto, o secretário estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn, defendeu a suspensão das aulas presenciais no estado.

Segundo Gorinchteyn, manter escolas abertas implica em circulação de pessoas, algo que poderia ser evitado e que contribui para a propagação do vírus.

“Isso [suspensão das aulas presenciais] é um tema que a gente realmente está discutindo. Se nós estamos entendendo que as pessoas estão ameaçadas frente ao vírus, frente a um colapso, nós temos que reavaliar a circulação das pessoas em situações que poderiam ser evitadas. Uma delas é a questão da escola”, afirmou o secretário.

Pior semana da pandemia

Nesta terça (2), o estado de São Paulo registrou o maior número de mortes por Covid-19 em 24h desde o início da pandemia, com 468 novos óbitos, segundo dados da Secretaria Estadual da Saúde. Com os novos registros, o estado chegou a 60.014 mortes provocadas pela doença (veja mais abaixo).

O governador de São Paulo, João Doria, disse que o estado está na pior semana desde o começo da pandemia: “Entramos na pior semana da Covid-19 da história da pandemia desde 26 de fevereiro. Isso não apenas em São Paulo, os demais estados também, eu tenho falado com governadores de outros estados. Há uma preocupação generalizada”, disse o governador.

O que pode funcionar na fase vermelha?

  • Farmácias
  • Mercados
  • Padarias
  • Açougues
  • Postos de combustíveis
  • Lavanderias
  • Meios de transporte coletivo, como ônibus, trens e metrô
  • Transportadoras, oficinas de veículos
  • Atividades religiosas
  • Hotéis, pousadas e outros serviços de hotelaria
  • Bancos
  • Pet shops
  • Serviços de delivery ou entregas

UTIs lotadas

O estado de São Paulo também chegou ao maior número de pessoas internadas com Covid-19 desde o início da pandemia nesta terça (2).

São 16.359 pacientes com suspeita ou confirmação da doença em todo o estado, sendo 9.332 em leitos de enfermaria e 7.027 em Unidades de Terapia Intensiva (UTI). A secretaria estadual nunca havia informado valor maior que 16 mil internados.

A taxa de ocupação de UTIs Covid registrada nesta terça é a terceira maior desde o final de maio de 2020, quando o governo estadual passou a divulgar o dado diariamente.

Apesar de o estado ter batido o recorde de pacientes internados, a ocupação não atingiu seu maior número porque a quantidade de leitos disponíveis foi ampliada, reduzindo assim a taxa de ocupação.

Entre hospitais públicos e particulares, 75,3% dos leitos de UTI destinados a pacientes com coronavírus estão ocupados. O valor foi maior apenas nos dias 24 e 28 de maio de 2020, durante a primeira onda da pandemia. Na Grande São Paulo, a taxa de ocupação das UTIs nesta terça é de 76,7%.

cupação de leitos de UTI chega a 75,3%

São Paulo teve nesta terça-feira outro recorde da pandemia: o maior número de mortes por Covid-19 em 24h desde o início da série histórica, com 468 novos óbitos, segundo dados da Secretaria Estadual da Saúde. Com os novos registros, o estado chegou a 60.014 mortes provocadas pela doença.

As novas confirmações em 24 horas não significam, necessariamente, que as mortes aconteceram de um dia para o outro, mas que foram contabilizadas no sistema neste período. Os números costumam ser menores aos finais de semana e às segundas-feiras por conta do atraso na notificação nessas datas.

Lápides no cemitério Vila Nova Cachoeirinha, na zona norte de São Paulo (SP), em 25 de fevereiro. — Foto: ROGÉRIO GALASSE/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Lápides no cemitério Vila Nova Cachoeirinha, na zona norte de São Paulo (SP), em 25 de fevereiro. — Foto: ROGÉRIO GALASSE/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Média móvel de mortes

A média móvel de mortes, que leva em consideração os registros dos últimos 7 dias e minimiza as diferenças das notificações, é de 259 óbitos por dia nesta terça. O número representa uma alta de 18% em comparação com o valor registrado há 14 dias, o que para os especialistas indica tendência de estabilidade. Como o cálculo da média móvel leva em conta um período maior, é possível medir de forma mais fidedigna a tendência da pandemia.

De acordo com dados da Secretaria Estadual da Saúde, também foram registrados 10.168 casos da doença nas últimas 24 horas, totalizando 2.054.867 casos confirmados do novo coronavírus desde o início da pandemia. A média móvel de casos diários está em 9.188 nesta terça.