Fim do sonho: Brasil perde nos pênaltis para a Suécia e vai disputar o bronze

0

Screenshot_19

Seleção feminina não fura retranca adversária, chega a três jogos sem fazer gols e desta vez é derrotada por 4 a 3 nas penalidades

Screenshot_20

RESUMÃO

  • O JOGOConfira os melhores momentos de Brasil 0 (3) x 0 (4) Suécia

  • O JOGO 
  • CASTIGO PESADO

    Acabou o sonho do ouro olímpico para a seleção brasileira de futebol feminino. Após empate sem gols no tempo normal e na prorrogação, a derrota para a Suécia veio do mesmo jeito que a vitória sobre a Austrália embora com números diferentes: nos pênaltis, por 4 a 3 (nas quartas, venceu por 7 a 6). O Brasil pressionou o tempo inteiro, finalizou muito mais, atacou, mas esbarrou numa boa retranca montada pela técnica bicampeã olímpica Pia Sundhage e não foi capaz de vencer o jogo. Nas penalidades, brilhou a estrela da goleira sueca Lindahl, que pegou as cobranças de Andressinha e Cristiane. Bárbara, heroína contra a Austrália, ainda defendeu uma cobrança, mas não deu. A vaga para a decisão é das suecas.

  • DESTAQUE
  • A HEROÍNA SUECAHedvig Lindahl, goleira sueca, mostrou segurança em toda a partida e quase não deu rebote quando acionada. Nos pênaltis, pegou as cobranças de Cristiane e Andressinha e foi decisiva na classificação sueca para a final. A goleira, que joga no Chelsea, tem 33 anos e é titular da seleção sueca desde 2002.

  • DESTAQUE
  • PRIMEIRO TEMPOO Brasil pressionou desde o início. Buscou o ataque, marcou em cima, finalizou muito. Marta, atuando na direita, tentou tudo o que podia e fez boas jogadas. Formiga brigou muito no meio-campo e Rafaelle, na defesa, garantia a segurança. Mas as suecas bloqueavam todas as investidas com uma retranca muito bem montada. Não fizeram sequer uma falta nos primeiros 45 minutos. Aguentaram a pressão e ainda assustaram um pouco em alguns contragolpes.

  • DESTAQUE
  • SEGUNDO TEMPOVadão queria ganhar o jogo e botou o time para o ataque. Andressinha, que tem bom passe, entrou no lugar de Thaisa, e o time chegou a melhorar no início, com bons ataques originados em passes longos. Mas logo a Suécia marcou a jogada. A cena se repetia com frequência: o Brasil insistia nos passes longos, perdia a bola e chegou a tomar contragolpes perigosos. A Suécia, fechadinha, contava também com a inoperância das atacantes Debinha e Bia para manter o placar zerado.

DEIXE UMA RESPOSTA