Estado assina acordo para ajudar no controle do carrapato-estrela em Salto

0
Laura Bertajoni Vicente morreu por febre maculosa em Salto — Foto: Reprodução/Facebook

Acordo prevê conclusão do mapeamento em áreas mantidas pelos hospedeiros do carrapato-estrela. Febre maculosa matou uma adolescente na cidade em julho.

O Instituto Biológico (IB-APTA) da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo vai assinar um acordo de cooperação técnica e científica com a Prefeitura de Salto (SP) para mapeamento e controle do carrapato-estrela, um dos transmissores da febre maculosa. O acordo será assinado na tarde desta segunda-feira (22), no Parque Rocha Mountoneé.

O plano prevê a conclusão do mapeamento de parques e outras áreas públicas no município onde a infestação é mantida pelos hospedeiros dos carrapatos, como capivaras e cavalos.

Além disso, o acordo vai implantar medidas de controle passíveis de aplicação imediata, treinamento de servidores municipais para realização da captura periódica de carrapatos em pontos pré-definidos, além da capacitação de servidores e articulação entre as secretarias municipais que possam ter acesso a áreas de risco de contato com o carrapato da espécie Amblyomma.

Segundo o Ministério da Saúde, 56 casos da doença foram registrados no Estado de São Paulo de janeiro a setembro de 2018.

Laura Bertajoni Vicente morreu por febre maculosa em Salto — Foto: Reprodução/Facebook
Laura Bertajoni Vicente morreu por febre maculosa em Salto — Foto: Reprodução/Facebook

Vítima fatal

Em julho deste ano, uma adolescente de 15 anos morreu por complicações de febre maculosa, em Salto.

Laura Bertajoni Vicente foi internada em um hospital de Campinas após queixar-se de dores de cabeça. Eram os primeiros sinais do ataque da doença transmitida pelo carrapato-estrela, que destruiu o sistema nervoso da vítima.

Marcelo Kenjy Motozono contou ao G1 que Laura foi internada em estado grave e entrou em coma induzido. Na mesma semana, um edema cerebral seguido de um Acidente Vascular Cerebral (AVC), segundo o parente, foram fatais.

Um laudo laboratorial confirmou que a estudante morreu por febre maculosa. A doença já constava como causa da morte da menina no atestado de óbito ao qual a TV TEM teve acesso. O documento detalha também que a paciente teve choque séptico.

Febre maculosa

De acordo com a Prefeitura de Salto, a cidade já havia registrado um caso positivo de febre maculosa no início deste ano. O morador teria sido infectado na região norte do país, foi tratado e se recuperou da doença.

Os sintomas normalmente aparecem entre dois e 14 dias após a picada do inseto. Os pacientes podem ter dor de cabeça, febre alta, dores no corpo, calafrios e apresentar manchas vermelhas pelo corpo.

Além de capivaras, o carrapato-estrela também pode ser encontrado em bois, cavalos, cães, aves e roedores.