Diário do Verdão – De cirandinha a time diferente: como Cuca reergueu Palmeiras à liderança

0

Após tropeços que tiraram time da primeira colocação, técnico atuou como bombeiro, tirou o pé nos treinamentos e recuperou atletas individualmente

Ao ver o Palmeiras perder a liderança do Campeonato Brasileiro depois de oito rodadas consecutivas, o técnico Cuca sentiu que precisaria agir. Com algumas atitudes diferentes do comandante, principalmente fora de campo, o time reagiu e voltou a abrir a atual vantagem de três pontos na primeira colocação.

A primeira medida tomada pelo treinador foi assumir a entrevista coletiva depois da derrota para o Botafogo, num dia em que normalmente falaria um jogador. A partir daí, ele tratou de recuperar o ânimo e a disposição do elenco, por meio dos movimentos listados abaixo:

BOMBEIRO
No dia seguinte à derrota para o Botafogo, que tirou o Palmeiras da liderança depois de oito rodadas seguidas, ele pediu para conceder entrevista coletiva – o treinador fala com os jornalistas sempre às sextas-feiras, nunca às segundas. Com isso, assumiu a frente dos problemas na tentativa de passar confiança aos atletas, especialmente ao goleiro Vagner, que havia falhado.

Palmeiras treino (Foto: Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação)
Cuca chamou a responsabilidade e reconquistou o elenco do Verdão (Foto: Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação) CIRANDA, CIRANDINHA

Antes do duelo seguinte, contra a Chapecoense, mudou completamente a rotina dos treinos e entrou em ação desde os trabalhos de aquecimento, que geralmente ficam a cargo dos preparadores físicos. Com uma série de brincadeiras, incluindo uma ciranda no círculo central, fez todos os jogadores rirem não somente pelos exercícios lúdicos como também pelas prendas impostas a quem errasse. Em Santa Catarina, fez parte do rachão.

Ciranda Palmeiras treino (Foto: Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação)
Cuca comanda brincadeira de ciranda no treino do Palmeiras (Foto: Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação) MENOS TEORIA, MAIS BOLA

Além das brincadeiras em si, Cuca tirou a parte teórica dos treinos. Abdicou de trabalhos táticos, considerados chatos pela maioria dos jogadores, e deu a eles o que eles mais gostam: bola. Por uma semana, a preparação basicamente se resumiu à conversa na preleção sobre como o time deveria se comportar, os pontos fracos do adversário, etc.

Cuca Palmeiras (Foto: César Greco / Ag. Palmeiras / Divulgação)
Cuca deixou os jogadores trabalharem mais com bola na Academia (Foto: César Greco / Ag. Palmeiras / Divulgação) TROCA E BRAÇADEIRA

TROCA E BRAÇADEIRA
De volta de Santa Catarina, onde Vagner voltou a falhar, viu-se obrigado a substituir o goleiro por Jailson. Outra alteração no aspecto individual foi quanto ao capitão da equipe. Na tentativa de recuperar o futebol de Dudu e, ao mesmo tempo, mostrar sua importância, o treinador deu ao atacante a faixa de capitão. Coincidência ou não, ele foi muito bem no triunfo sobre o Vitória e participou da jogada dos dois gols.

Jailson Palmeiras torcedor (Foto: Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação)
Jailson foi colocado no time titular por Cuca e ganhou a torcida alviverde (Foto: Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação)

AGORA SIM, TREINO
Novamente líder e com uma semana cheia até a partida contra o Atlético-PR, Cuca aproveitou todos os dias de trabalho para montar sua formação. Com treinos parcial ou integralmente fechados à imprensa, fez mistério e levou a campo uma escalação diferente da que se esperava, pelo fato de ter Dudu centralizado, mas não exatamente como um falso 9 – ele foi mais meia do que atacante, deixando para Erik e Róger Guedes a missão de afunilar em direção à área.

Cuca comemora Chapecó (Foto: Cesar Greco/Ag.Palmeiras/Divulgação)
Cuca participou de rachão com os jogadores do Palmeiras e vibrou (Foto: Cesar Greco/Ag.Palmeiras/Divulgação)

DEIXE UMA RESPOSTA