Diário do Verdão – Análise: timing perfeito em jogo aéreo e na marcação dão vitória ao Palmeiras

0

Zagueiro-artilheiro, Vitor Hugo saltou no tempo exato para marcar o gol da vitória, que foi garantida ainda com antecipações principalmente do incansável Thiago Santos

Até garantir a vitória de domingo sobre o Atlético-PR, por 1 a 0 , Vitor Hugo não fazia um gol de cabeça para o Palmeiras desde a quinta rodada do Campeonato Brasileiro. Quando a bola saiu dos pés de Dudu no escanteio batido pelo lado direito na Arena da Baixada, seu posicionamento na área já indicava perigo. Veja o lance abaixo:

O cabeceio do zagueiro-artilheiro aos 43 minutos do primeiro tempo não foi o único exemplo de timing perfeito da equipe treinada por Cuca. O Palmeiras se mostrou antenado e ajustado ao longo de toda a partida em Curitiba. Vitor Hugo mesmo se antecipou aos atacantes atleticanos diversas vezes, assim como seu parceiro Thiago Martins e, principalmente, o incansável volante Thiago Santos, que foi até o fim pendurado com um cartão amarelo.

Cuca deixou Cleiton Xavier no banco para proteger a defesa com um volante a mais, e Thiago Santos não decepcionou (Foto: GloboEsporte.com)Cuca deixou Cleiton Xavier no banco para escalar um volante a mais, e Thiago Santos não decepcionou

A escalação de um homem a mais de contenção, a propósito, foi uma das decisões sobre as quais Cuca fazia mistério antes do jogo. O treinador sacrificou Cleiton Xavier, meia que vinha sendo importante dentro da área nas últimas partidas, para proteger melhor sua defesa diante de um adversário até então invicto como mandante no campeonato.

O camisa 10 só entrou em campo aos 31 minutos do segundo tempo, no lugar de Róger Guedes, quando o Atlético-PR ficava todo no ataque, e o Palmeiras tinha dificuldade para prender a bola, muito em função também do desgaste de Moisés. Mais uma vez, ajudado por Tchê Tchê, o meio-campista se desdobrou para aparecer – com qualidade e disposição – em todos os cantos do campo.

– (Moisés) foi o melhor em campo. Ganha a primeira bola, encorpa a segunda. Faz função de meia, de volante. Está recuperando força, ainda não está na ideal. Quando ele e Tchê Tchê estão em campo, a gente melhora – avaliou o técnico Cuca, logo depois do confronto, talvez ainda sem saber que Moisés foi o palmeirense com maior número de toques na bola: 34.

No trio de ataque, destaque para a utilização de Dudu mais centralizado, com Róger Guedes e Erik tendo obrigações também defensivas pela direita e esquerda, respectivamente.

Equipe treinada por Cuca também contou com boa atuação de Jailson e uma linha de impedimento muito bem feita nos minutos finais do jogo

O apoio dos homens de frente na marcação contribuiu muito para que a bola chegasse pouco a Jailson. Mesmo assim, o goleiro, que deixou de cobrar tiros de meta depois de sentir dores musculares, fez duas defesas difíceis – os 10,7 pontos no Cartola estão aí para provar. E ainda fez outra não contabilizada porque a jogada já tinha sido paralisada graças a uma bem feita linha de impedimento.

Uma noite de timing perfeito do Palmeiras, que aproveitou o resultado de outros confrontos diretos para abrir vantagem maior na ponta. Agora, o Verdão está três pontos acima do vice-líder Santos e volta a campo no domingo que vem, diante da Ponte Preta, em casa.

Vitor Hugo gol Palmeiras (Foto: Giuliano Gomes/Agência PR Press)Vitor Hugo festeja o gol do Verdão em posicionamento perfeito (Foto: Giuliano Gomes/Agência PR Press)

DEIXE UMA RESPOSTA