Diário do Verdão – Análise: Palmeiras demora, mas fura marcação e justifica escalação titular

0

Verdão sofre e insiste no jogo aéreo no primeiro tempo. No segundo, time de Cuca joga mais pelo chão, encontra os gols e faz valer a força máxima na Copa do Brasil

Quando o árbitro apitou o final do primeiro tempo do duelo de ida contra o Botafogo-PB, pelas oitavas de final da Copa do Brasil, a sensação da torcida do Palmeiras era de que ter entrado com força máxima, além de não resolver, havia sido uma escolha ruim, já que o placar estava em branco e Moisés havia se machucado.

Demorou para a arquibancada e os espectadores de casa se convencerem de que seria possível vencer. Até porque, travada pela boa marcação paraibana e sem poder contar com os dribles de Gabriel Jesus, a equipe vinha insistindo muito em levantar bolas para Rafael Marques – que, assumidamente, não gosta de jogar como centroavante – cabecear para fora.

Palmeiras Botafogo (Foto: Marcos Ribolli)
Cuca pôs em campo o que tinha de melhor e, no final do jogo, deu chance ao garoto Vitinho (Foto: Marcos Ribolli)

No intervalo, o técnico Cuca substituiu Cleiton Xavier por Allione, explorou melhor as duas pontas e viu o meio-campista Tchê Tchê assumir a responsabilidade de quebrar a retranca do Botafogo, que até então havia criado as melhores oportunidades de marcar. Com a bola passando pelo chão, não foi preciso muito tempo mais para sair em vantagem.

Aos 10 minutos, Rafael Marques – por baixo, não pelo alto – sofreu falta. A arbitragem entendeu que ele estava dentro da área e assinalou pênalti. Jean converteu com calma e acalmou os mais impacientes, como os torcedores que incomodavam o banco de reservas palmeirense.

Moisés se machucou no primeiro tempo e deu lugar ao volante Gabriel (Foto: GloboEsporte.com)Moisés se machucou e deu lugar ao volante Gabriel; no intervalo, quem saiu do time foi Cleiton Xavier

Pouco depois, o próprio Rafael Marques também deixou o seu e se tornou o artilheiro da arena, com 11 gols marcados. Se esse placar já era bom, ficou melhor ainda aos 35 minutos, numa linda jogada que premiou a atuação Tchê Tchê. Aniversariante na terça-feira, ele recebeu bom passe de Allione, fintou a marcação e marcou o último gol do triunfo por 3 a 0.

Fica fácil falar depois do jogo, mas… A decisão de escalar força máxima se mostrou acertada. Com um time B, provavelmente teria sido ainda mais complicado enfrentar um adversário que, apesar de disputar a Série C do Campeonato Brasileiro, é bem treinado. Sem contar que o elenco agora terá uma semana para se recuperar (e recuperar Moisés) até o clássico contra o São Paulo e, em João Pessoa, poderá perder por até dois gols de diferença.

Na partida na Paraíba, marcada para 21 de setembro, Cuca deve optar por uma escalação mista. Nomes como o do garoto Vitinho, promessa que atuou nos minutos finais desta quarta-feira, provavelmente terão oportunidade. Graças ao bom resultado na estreia.

DEIXE UMA RESPOSTA