CPI da Carne em Marília ouve ex-secretário que afirma envolvimento do prefeito Daniel Alonso

0
CPI da carne de Marília apura irregularidades da merenda escolar

Beto Cavallari, disse que prefeito sabia do problema na câmara fria e que a decisão de recongelar a carne foi tomada junto com Daniel Alonso.

Os vereadores membros da chamada CPI da Carne ouviram nesta quinta-feira (7) o ex-secretário de Educação, Beto Cavallari, na Câmara de Marília (SP), as revelações envolvem diretamente o prefeito Daniel Alonso.

Reunião realizada na Câmara dos Vereadores de Marília (SP) ouviu o ex-secretário da Educação, Beto Cavallari (Foto: Reprodução / TV TEM)
Reunião realizada na Câmara dos Vereadores de Marília (SP) ouviu o ex-secretário da Educação, Beto Cavallari.

Beto Cavallari deixou o governo em janeiro de 2018, dias antes da prefeitura descobrir o problema com a carne da merenda. A suspeita dos membros da comissão é de que o alimento tenha estragado por ter sido descongelado, moído e congelado novamente. Sete (7) toneladas de carne foram descartadas na época.

Durante a reunião, o ex-secretário afirmou que a decisão de recongelar a carne foi tomada junto com o prefeito, Daniel Alonso.

ex-secretário disse que avisou o prefeito sobre equipamentos danificados

Beto Cavallari disse também que a câmara fria vinha apresentando problemas há meses, e que isso foi comunicado ao prefeito das irregularidades no equipamento.

Segundo o presidente da comissão, outras pessoas ainda serão chamadas pra prestar depoimento.

Entenda o caso

Alimentos vencidos e sem condições de uso foram encontrados na cozinha piloto, local que armazena a merenda escolar das escolas públicas de Marília (SP). Após o flagrante, a prefeitura anunciou no dia 25 de janeiro, a abertura de uma sindicância para apurar as irregularidades.

Segundo a administração municipal, a Secretaria de Educação decidiu fechar a cozinha piloto e abrir uma investigação para descobrir o responsável pelo desperdício de alimentos.

Durante as investigações, quem irá distribuir os alimentos da merenda entre as escolas será o próprio distribuidor contratado pela prefeitura.

Apesar da interdição da cozinha, a Prefeitura de Marília garante que o abastecimento das escolas para o ano letivo não será comprometido.

A primeira reunião da CPI foi realizada no dia 27 de fevereiro. Nela, foi definido qual será o cronograma de trabalho e quais documentos serão avaliados para orientar os trabalhos da Comissão Parlamentar de Inquérito que irá investigar o caso.

Dentre os documentos, estão os relatórios do vereador Zé Luiz Queiroz, responsável pela visita feita à cozinha piloto um dia depois do ocorrido, além de notas fiscais dos fornecedores, relatório da vigilância sanitária e, ainda, um relatório que comprove se a energia foi interrompida pela CPFL nas redondezas, o que pode ter causado o desligamento da câmara fria onde o alimento era armazenado.

,