Comissão recebe relatório com fotos de descarte irregular de baterias na fábrica Saturnia em Sorocaba

0
Comissão recebeu relatório com fotos de descarte irregular de baterias na fábrica Saturnia em Sorocaba — Foto: TV TEM/Reprodução

De acordo com vereadores que investigam o caso, documento traz série de imagens da década de 1980 que mostram descarte de baterias em um terreno atrás da fábrica. Documento deve ser anexado à investigação.

A Comissão de Meio Ambiente da Câmara dos Vereadores de Sorocaba (SP) recebeu, durante a sessão da manhã desta quinta-feira (27), um relatório com novas fotos que mostram o descarte irregular de baterias na antiga fábrica da Saturnia.

Por vários anos, a empresa enterrou resíduos da reciclagem de baterias diretamente no solo. Análises encomendadas pela TV TEM indicaram contaminação de solo e águaem áreas próximas ao terreno.

O documento entregue aos vereadores pelo Sindicato dos Metalúrgicos traz uma série de fotos da década de 1980 nas quais uma quantidade enorme de baterias era descartada em um terreno atrás da fábrica.

Os membros da comissão disseram à TV TEM que vão tentar anexar um relatório e estas novas fotos à investigação e, assim, encaminhar à Justiça.

Alguns pontos do relatório afirmam que não houve contaminação de solo apenas em Sorocaba. Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos, muitas peças que precisavam ser recicladas saíram da planta de Sorocaba e foram levadas a outras fábricas do país.

Flagrante e análises

Com câmeras escondidas, os produtores da TV TEM e do G1 flagraram dezenas de pessoas escavando o terreno. Do alto é possível ter uma ideia do tamanho da área que já foi revirada por pás, enxadas e até máquinas.

Reunião deve definir medidas para impedir garimpo ilegal de chumbo  — Foto: Reprodução/TV TEM
Reunião deve definir medidas para impedir garimpo ilegal de chumbo — Foto: Reprodução/TV TEM

Sem saber que estava sendo filmado, um homem, que teve a identidade preservada, explicou como funciona o esquema de extração no terreno.

“Você bate martelo e se ela [pedra] não quebrar, é pura. É R$ 4 o quilo. Você só não pode chegar perto de lá, porque tem uma fumaça saindo ali embaixo da terra. Tem lugar que você vai e arde o olho.”

A reportagem recolheu algumas pedras que foram submetidas a análise laboratorial. Segundo o toxicologista da Universidade de São Paulo (USP) Fernando Barbosa Júnior, cinco tipos de metais prejudiciais à saúde foram identificados.

“As amostras apresentaram valores extremamente elevados de chumbo. Um milhão de vezes superiores àquelas que nós esperaríamos. Além do chumbo, foram encontrados alumínio, cádmio, cromo e arsênio.”

Funcionários que trabalharam no isolamento da Saturnia precisaram usar equipamentos de segurança  — Foto: TV TEM/Reprodução
Funcionários que trabalharam no isolamento da Saturnia precisaram usar equipamentos de segurança — Foto: TV TEM/Reprodução

O especialista explica que esses metais pesados entram no organismo pelo nariz e pela boca na poeira levantada no garimpo. Com o tempo, podem surgir doenças cardiovasculares, hepáticas e do sistema nervoso.

O cromo, o arsênio e o cádmio se acumulam nos rins e, em doses altas, podem levar à falência desses órgãos. O cromo e o arsênio também podem causar câncer. Já a contaminação por alumínio faz tão mal para o cérebro que cientistas estudam hoje se ele pode estar ligado ao Alzheimer.

A Saturnia funcionou por 39 anos e fechou em 2011. Em 2016, a fábrica decretou falência. Desde então, tudo ficou abandonado.

Incêndio atingiu terreno de antiga fábrica de baterias em Sorocaba — Foto: Witter Veloso/TV TEM
Incêndio atingiu terreno de antiga fábrica de baterias em Sorocaba — Foto: Witter Veloso/TV TEM