Com mais de 9 mil casos de dengue, Rio Preto tem fumacê interrompido por falta de inseticida

0
Carro passa com o fumacê em bairro de Rio Preto — Foto: Reprodução/TV TEM

A Secretaria de Saúde de São José do Rio Preto (SP) informou que interrompeu o fumacê – que é a aplicação de veneno que mata o mosquito Aedes aegypti adulto – por causa da falta de inseticida. O fumacê é a nebulização feita por veículos. Rio Preto contabiliza mais de 9 mil casos de dengue em 2019.

De acordo com a secretaria, na sexta-feira (26) a pasta recebeu uma quantidade considerada baixa de veneno, cerca de 20 litros, o que daria para dois dias de fumacê. Com a falta do inseticida, os bairros com maior número de casos de dengue começaram a ficar sem o trabalho de nebulização.

“Interrompemos o trabalho com o veículo, estamos com produto suficiente para máquina portátil até sábado. Diante disso, estamos reforçando o trabalho de combate a criação dos criadouros do mosquito”, afirma Abner Alves, gerente da Vigilância Ambiental em Rio Preto.

Rio Preto ultrapassou os nove mil casos de dengue neste ano. A confirmação foi feita na sexta-feira (26) pela Secretaria de Saúde, que registrou 9.185 casos da doença no boletim epidemiológico. Ao todo, são seis mortes.

“Preocupa a situação, estamos buscando alternativas e buscando fabricantes do produto, mas até agora sem sucesso”, afirma Abner.

Em nota, o Ministério da Saúde informou que passa hoje por um desabastecimento momentâneo do produto, em decorrência de problemas em sua formulação pela empresa produtora, o que causou vazamento de embalagens, além da sedimentação do produto, o que o inviabiliza para uso.

O Ministério da Saúde disse que a empresa produtora do inseticida foi informada dos problemas e recolheu 105 mil litros do produto, para testes e ensaios de qualidade. A previsão é que a empresa entregue, no mês de maio, o quantitativo recolhido.

O Ministério afirmou que não deixou de fornecer os insumos considerados estratégicos aos estados para controle de doenças transmitidas pelo Aedes aegypti. No ano de 2018, foram entregues aproximadamente 440 mil litros do produto em todo o país. Neste ano, para o estado de São Paulo, já foram enviados 50 mil litros.

A Secretaria de Saúde do Estado disse que acompanha a situação e a prioridade é enviar o inseticida para nebulização para as cidades que sofrem com epidemia.