Coloração verde do Rio Tietê é amenizada, mas bióloga alerta que poluição continua

0
Coloração do rio começou a voltar ao normal nesta sexta-feira em Arealva — Foto: Willian Silva / TV TEM

Vento e a chuva podem ter dissipado a camada esverdeada em Arealva (SP) causada pela proliferação de algas, o que por sua vez, é resultado do esgoto doméstico, industrial e das lavoras despejado nas águas.

Nesta sexta-feira (5), as águas do Rio Tietê em Arealva (SP) voltaram a coloração azul escura depois de dias com uma camada esverdeada. O problema é um dos resultados da poluição que afeta a qualidade das águas do rio.

Apesar de ter voltado a normalidade na região de Arealva, isso não quer dizer que o rio está livre das consequências da poluição.

Segundo a bióloga Rita Peruqueti, a cor verde é causada pela proliferação dos aguapés, o que acontece por causa da alta concentração de poluição no rio. De cima, a imagem até é bonita e chama atenção, mas a mancha verde tem aspecto oleoso e um cheiro ruim.

“Esse fenômeno é chamado de “eutrofização aquática” a causa primária é o aumento de alguns nutrientes químicos como fosforo e nitrogênio derivados. O que tem origem principalmente em esgoto doméstico, esgoto industrial, e da própria lavoura que usa fertilizantes e quando chove carrega tudo isso para o ambiente aquático e esses nutrientes ficam disponíveis para o crescimento de alguns organismos aquáticos.”

Rita alerta que ventos intensos e a chuva podem dissipar e levar essa camada verde para outros pontos, mas isso não quer dizer que a água esteja em melhores condições.

Por isso, a bióloga recomenda que as pessoas evitem comer peixes retirados dessa área do rio, uma vez que os aguapés podem produzir toxinas que os peixes comem.

Na quinta-feira, uma mancha verde tomava conta das águas em Arealva  — Foto: Willian Silva / TV TEM
Na quinta-feira, uma mancha verde tomava conta das águas em Arealva — Foto: Willian Silva / TV TEM