Cão agredido a pedradas em Gália passa por cirurgia de 4 horas para corrigir fratura no fêmur

0
Cachorro - Jornal bom dia
Scooby com o corte da cirurgia, logo após acordar da anestesia: recuperação deve durar entre 60 e 90 dias — Foto: ONG Arca da Fé/Divulgação

Animal foi resgatado por ONG de Bauru após vídeo da agressão viralizar nas redes sociais. Dois homens que aparecem nas imagens vão responder por crime de maus-tratos.

O cão agredido a pedradas pelo dono em uma praça de Gália (SP), no início deste mês, passou nesta quarta-feira (24) por uma cirurgia de quatro horas de duração para corrigir uma grave fratura no fêmur.

Segundo os veterinários responsáveis pelo procedimento em Scooby, nome que o cão recebeu dos voluntários da ONG que o resgataram, a cirurgia correu bem e o animal, após acordar da anestesia, iniciou período de repouso absoluto.

“Graças a Deus correu tudo bem, mas tivemos de reconstruir seu joelho, que estava muito destruído. Colocamos um pino intramedular e fizemos a cerclagem [técnica para auxiliar a regeneração de fraturas] com fio de aço”, explicou o médico veterinário Osni Pinheiro.

De acordo com o especialista, que foi auxiliado na cirurgia pela veterinária da ONG, Fabiana Sargasso, a estimativa de recuperação total é de 60 a 90 dias. Conforme a equipe, apesar da perda óssea, Scooby voltará a andar, mas “deve mancar um pouco”.

De acordo com a presidente da ONG Arca da Fé, Vanessa Araújo, não é possível constatar se o ferimento é resultado de alguma agressão, mas todos os laudos, inclusive os exames de raio X que constataram a fratura, foram encaminhados para o delegado responsável pelo caso.

Segundo a ONG, depois que estiver totalmente recuperado, Scooby será castrado e colocado para adoção.

Agressão

O caso de agressão contra o animal ganhou repercussão depois da divulgação nas redes sociais de imagens gravadas no começo do mês que mostraram dois homens sentados em um banco na Praça Custódio Araújo, onde fica a Igreja Matriz São José.

Os dois homens que aparecem nas imagens vão responder por maus-tratos a animais, crime previsto na lei ambiental com pena de três meses a um ano de detenção, além de pagar multa.