Ataque de hackers destrói arquivo de pacientes da Santa Casa de Pirajuí

0
Atendimento na Santa Casa de Pirajuí contina prejudicado após ataque de hackers na última segunda-feira (Foto: Divulgação)

Hackers pediram ‘resgate em bitcoins’ para restabelecer o sistema. Invasão do sistema de computadores tirou do ar serviços importantes, como o de raio-x.

Dois dias depois de ter o sistema de computadores invadido por hackers, na segunda-feira (30), a Santa Casa de Pirajuí (SP) ainda tenta restabelecer o funcionamento de alguns de seus serviços de atendimento. Os funcionários também se preparam para refazer o arquivo de pacientes, que foi totalmente destruído ou apagado.

Os hackers que invadiram o sistema pediram “resgate em bitcoins” para liberar o sistema, que até a manhã desta quarta-feira (1°) ainda não havia sido normalizado.

Segundo Renato Debreix, responsável pela empresa que gerencia o sistema de computadores do hospital, será necessário reinstalar todos os sistema operacionais para que a rede de computadores volte a funcionar.

A principal preocupação é com relação o serviço de raio-x, um dos mais afetados. O diagnóstico por imagem não está sendo feito pois, segundo o hospital, não é possível fazer o serviço sem o acesso ao sistema informatizado.

Além disso, todo o registro de atendimento precisou ser feito de forma manual pelos funcionários, o que tem causado atrasos no atendimento.

Depois de restabelecer o sistema, a missão dos funcionários da Santa Casa será refazer todo o arquivo que foi apagado com dados relacionados a pacientes, como prontuários. As fichas, atualmente em papel, terão de ser redigitalizadas.

O hospital já teme uma possível ação de golpistas e alerta os pacientes que não haverá nenhuma espécie de contato telefônico com pedido de informações cadastrais. Além disso, na fase de reinstalação de sistema e trabalho manual, a direção do hospital pede que os pacientes levem sempre o cartão SUS e documentos de identidade.

O ataque foi constatado na tarde de segunda-feira depois que funcionários tentaram acessar o servidor da unidade e uma página em inglês aparecia na tela dos computadores pedindo um valor em bitcoins (moeda virtual) para que o programa fosse liberado e deu prazo de 24h para isso.

Investigação

A Polícia Civil já abriu inquérito para investigar o ataque. O delegado César Ricardo do Nascimento admite, porém, que é difícil chegar até o autor do crime e vai pedir ajuda a um setor do Deinter especializado em crimes cibernéticos.

Delegado César Ricardo do Nascimento vai pedir ajuda a setor da polícia especializado em crimes cibernéticos (Foto: TV TEM/Reprodução)
Delegado César Ricardo do Nascimento vai pedir ajuda a setor da polícia especializado em crimes cibernéticos (Foto: TV TEM/Reprodução)

O delegado explica que são dois crimes a serem investigados: invasão de dispositivo informático e extorsão, por conta do pedido do resgate para o desbloqueio dos sistemas.

“Vamos solicitar uma perícia da Polícia Científica e também a quebra judicial de dados de telemática para tentar identificar os dados cadastrais de quem fez o e-mail encaminhado ao hospital com o ataque”, diz o delegado.