Alto nível do Rio Tietê faz Defesa Civil isolar áreas em ponto turístico de Salto

0
Ponte em área turística foi interditada em Salto por causa da cheia do rio Tietê — Foto: TV TEM/Reprodução

G1 Jundiaí/Sorocaba

O temporal que atingiu a Grande São Paulo na noite de domingo (10) e madrugada de segunda-feira (11) aumentou o volume de água do Rio Tietê e colocou a cidade de Salto, no interior paulista, em alerta.

A Defesa Civil da cidade isolou algumas áreas em pontos turísticos da cidade às margens do Tietê.

Segundo o órgão, com o grande volume de chuva, a represa de Rasgão, em Pirapora do Bom Jesus (SP), foi aberta aumentando a vazão de água no rio, passando de 250 metros cúbicos por segundo para 650 metros cúbicos por segundo.

A praça Archimedes Lamoglia, que fica ao lado do Rio Tietê em Salto, já começou a ser invadida pela água. A Defesa Civil passou uma faixa zebrada e está orientando a população a ficar longe desses pontos.

Uma ponte usada por pedestres, também um ponto turístico na cidade, precisou interditada pelo risco aos visitantes. Segundo a Defesa Civil de Salto, são oito pontos monitorados na cidade ao longo do rio. A preocupação dos agentes é que a água continua subindo.

Apesar do alerta, ainda não há registro de pontos de alagamentos na cidade por causa da inundação.

Estragos

A forte chuva que começou na noite de domingo e se estendeu pela segunda-feira provocou alagamentos em diversas regiões da Grande São Paulo e bloqueou vias de acesso à capital paulista. O temporal deixou 12 mortos, vítimas de soterramentos e afogamentos.

Um dia após a forte chuva, moradores de São Bernardo do Campo ainda sofrem com vários pontos de alagamentos na manhã desta terça-feira (12). A prefeitura chegou a decretar estado de calamidade pública após a chuva.

  • Chuva causa alagamentos e mortes na Grande São Paulo

Em várias cidades da Grande São Paulo houve estragos. A enxurrada arrastou carros e bombeiros usaram botes para resgatar pessoas que ficaram ilhadas. Em São Paulo, um morador chegou a usar uma motoaquática para ajudar a resgatar pessoas ilhadas pelas inundações.

A linha 10-Turquesa da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) ficou totalmente interditada e só voltou a funcionar às 19h de segunda. Na manhã desta terça (12), os trens continuavam circulando com velocidade reduzida e as plataformas estavam lotadas.