51% acham Black Friday nada ou pouco confiável, mas 72% pretendem comprar, diz pesquisa

0
Procon - Jornal bom dia
Procon flagrou irregularidades durante a Black Friday em lojas de Florianópolis no ano passado — Foto: Procon/Divulgação

A Black Friday, que neste ano será no dia 23 de novembro, ainda gera certa desconfiança entre os consumidores, segundo levantamento do ReclameAqui com 2,9 mil pessoas feito na segunda quinzena de outubro.

Para 51%, a data de descontos um mês antes do Natal é pouco ou nada confiável. Apenas 2,8% acham muito confiável. Veja abaixo:

Como avalia a confiança da Black Friday no Brasil?

  • 46,08%: parcialmente confiável – tem que pesquisar bem para aproveitar as ofertas
  • 38,65%: pouco confiável – mesmo pesquisando, a gente cai na “Black Fraude”
  • 12,48%: nada confiável – Black Friday no Brasil não dá certo
  • 2,78%: muito confiável – é possível comprar e aproveitar os descontos

Para o presidente do ReclameAqui, Mauricio Vargas, a aceitação do consumidor melhorou desde que a Black Friday chegou no Brasil. “É a primeira vez que perguntamos isso para os consumidores, mas o brasileiro está pesquisando mais antes de comprar há alguns anos e, ao mesmo tempo, as maiores empresas estão consertando seus erros do passado. Acredito que será uma Black Friday melhor em comparação a outros anos”, aposta.

Segundo a pesquisa, 72% pretendem comprar para aproveitar os descontos. Outros 27,58% não pretendem comprar. Veja os motivos:

  • 53,53%: não acredito nos descontos apresentados
  • 20,45%: tive problemas em edições passadas da Black Friday
  • 16,73%: não me interesso pela Black Friday

Outros destaques da pesquisa:

  • 54,43% pretendem comprar para o Natal
  • 30,34% não acham os descontos da Black Friday atrativos
  • 86,79% acham as promoções reais o fator mais importante na hora da compra
  • 97,36% costumam pesquisar sobre as lojas antes de comprar

Produtos

Diferentemente de edições anteriores, quando a preferência nas compras eram os eletrônicos, sobretudo celulares, a pesquisa descobriu que o produto preferido este ano será roupas e acessórios, com 38,3% das intenções de compra. Veja abaixo:

  • Roupas, sapatos e acessórios: 38,27%
  • Smartphone: 32,43%
  • Linha branca de eletrodomésticos: 24,48%
  • Tênis: 23,75%
  • TV: 22,91%
  • Eletrônicos: 22,91%
  • Produtos de beleza: 21,64%

Valores gastos

Sobre o valor que o consumidor pretende gastar, 22,7% disseram que vão desembolsar entre R$ 1 e 2 mil, seguido de 15,5% que devem gastar entre R$ 800 e 1 mil. Os consumidores que vão segurar o bolso este ano e gastar até R$ 200 representam 8,5%. Veja abaixo:

  • De R$ 1.000 a R$ 2.000: 22,67%
  • De R$ 800 a R$ 1.000: 15,54%
  • De R$ 200 a R$ 400: 12,87%
  • De R$ 2.000 a R$ 3.000: 11,88%
  • Acima de R$ 3.000: 11,63%

Horários de compra

A maior parte dos consumidores vão comprar após as 18h do dia 23. Veja abaixo:

  • Após 18h – 40,74%
  • 6h – 14h – 22,51%
  • 0h – 6h – 20,70%
  • 14h – 18h – 16,04%