Polícia faz retrato falado de suspeito de atacar jovens com seringa em SP

0

Estagiária diz ter sido atacada na escadaria do metrô da Estação Pinheiros.
Médica peruana foi atacada na Avenida Paulista em junho.

A polícia de São Paulo investiga o caso do homem que ataca mulheres com uma seringa. Um retrato falado do suspeito foi feito para ajudar nas buscas. É um homem de porte médio, olhos e barba castanho escuro. As informações são do SPTV.

A estagiária Andressa Fernandes Oliveira foi uma dessas vítimas. O ataque foi dentro da estação Pinheiros, na Linha 4-Amarela do Metrô, bem pertinho das escadas rolantes. Andressa tinha acabado de sair do trabalho.

“Eu senti uma picada no meu ombro. Na hora eu senti assim, mas achei que não era nada. Parei para ver se tinha um objeto. Não desconfiei de nada. Assim que cheguei na minha residência, o meu esposo viu uma manchinha de sangue bem onde foi a picada. Foi ai que minhas irmãs ouvindo a história que contei falaram que já tinham visto alguns caso na internet e me recomendaram a ir no hospital.”, relata.

Preocupada, Andressa foi ao Hospital Emilio Ribas, especializado em doenças contagiosas.

“A moça da triagem me informou que naquela semana eles tinham atendido 20 pessoas que tinham sido picadas pela seringa, e disse que eu tive sorte, porque uma moça tinha chegado e o moço tinha rasgado a perna inteirinha dela com a seringa”, disse. O hospital informou ao SPTV que não pode afirmar quantos casos atendeu desse tipo.

Secretaria de Segurança Pública divulgou retrato falado do suspeito de atacar mulheres com seringa (Foto: TV Globo/Reprodução)Secretaria de Segurança Pública divulgou retrato falado do suspeito de atacar mulheres com seringa (Foto: TV Globo/Reprodução)
Vítima precisou tomar coquetel de remédios contra o vírus da Aids e outras doenças (Foto: TV Globo/Reprodução)Vítima precisou tomar coquetel de remédios contra o vírus da Aids e outras doenças (Foto: TV Globo/Reprodução)

Andressa está tomando três medicamentos há duas semanas. É o coquetel que impede que o vírus da Aids se instale nas células caso tenha entrado no corpo, além de proteger contra outras doenças como hepatite B, hepatite C, sífilis e doença de Chagas. A vítima diz que passou mal com os remédios. “Vomitei bastante, eu tive que ficar afastada do trabalho por uma semana.”

O infectologista Ivan Marinho diz que a roupa protege relativamente da picada. “É muito maior o risco quando a seringa vai na pele ou na veia de uma pessoa.”

O Metrô disse que não teve nenhum caso registrado na Linha 4-Amarela.

As vítimas podem denunciar pelo Disque-Denúncia no telefone 181, com anonimato garantido.

Outra vítima

Médica foi agredida com agulhada quando andava perto da Av. Paulista, em SP (Foto: Arquivo pessoal)Médica foi agredida com agulhada quando andava perto da Av. Paulista, em SP (Foto: Arquivo pessoal)

Em junho, um ataque parecido foi registrado na Avenida Paulista na esquina com a Rua Pamplona. A vítima foi uma médica peruana.

“A gente pensa que se trata de uma lenda urbana e quando acontece, a gente fica abalada, assustada por essa ação maldosa”. Essa foi a maneira que uma médica peruana encontrou para definir o sentimento vivido por ela após ser atacada por um homem, que espetou a agulha de uma seringa em suas costas, na quarta-feira (22), perto da esquina das avenidas Pamplona e Paulista, região central de São Paulo.

Ela disse que só percebeu que tinha sido ferida por uma agulhada ao ver o agressor espetar o corpo de uma outra mulher na mesma calçada, instantes depois de espetá-la. “De repente, eu senti uma pressão nas costas, como se fosse a ponta de uma caneta. Virei e pensei que seria algum conhecido me chamando a atenção, brincando. Foi quando vi passando por mim  um homem alto, magro, moreno, 40 anos, de moleton verde com listras brancas. Não consegui ver nada nas mãos dele. Achava que ele tinha simplesmente me furado com uma caneta. Ele continuou andando até a esquina da Pamplona com a Paulista e aí eu vi ele tirar uma seringa da manga e furar outra moça.”

A médica disse que conversou com a outra vítima, mas que se separaram em seguida. “Eu corri para alcançar a moça e ele atravessou a Avenida Paulista. O perdemos de vista. Perguntei para a menina, que foi ferida no bumbum, se ela tinha sido agredida. Ela disse que entraria no shopping para ver se tinha sido ferida mesmo. Nos separamos aí.”

Por conta da agressão, a médica passou a tomar medicação antirretroviral. “Fui para um hospital perto e eles recomendaram ir ao Hospital Emílio Ribas, onde se aplica o PEP [sigla em inglês que designa profilaxia pós-exposição]. Me deram a medicação para sete dias e procurar um centro de DST [Doenças Sexualmente Transmissíveis] para a primeira sorologia de controle. Peguei a medicação de 28 dias e estou tomando”, disse a médica.

Ela contou ao G1 que fez testes de sorologia para sífilis e HIV, mas eles deram negativo. “Mas esses exames servem para mostrar se eu já tinha essa infecção antes do ataque, não dá pra saber se fui infectada naquele momento. Terei de fazer outros exames períodicos por um ano.”

Ainda segundo ela, “o vírus HIV vive fora do corpo por até uma hora, mas é muito difícil a transmissão por uma perfuração tão rápida. Não sei o que continha naquela seringa, se tinha algum fluido. Fui puncionada por uma seringa com conteúdo desconhecido. O cuidado é protocolar, os cuidados foram básicos do protocolo por contato com agentes biológicos, natural.”

A médica disse que precisou mudar a rotina depois do ataque por medo de sair de casa. “Na verdade, foi um estresse. Estou tranquila do ponto de vista saúde física, a única coisa que me incomoda é tomar uma medicação que é muito forte e que tem muitos efeitos colaterais. Foi um evento que mudou muito a minha rotina, tive de ir a uma delegacia, ao IML, fazer exames de sangue. Isso mexeu com minha confiança de sair à rua, presto muito mais atenção ao meu redor, estou abalada porque não se espera, fiquei pasmada, por isso não reagi e não pensei em chamar a polícia na hora.”

Atendimento médico
Segundo o Instituto de Infectologia Emílio Ribas, “todas as orientações foram dadas e as condutas adequadas foram tomadas” em relação à paciente. De acordo com o instituto, “casos como esses são raros” e seus “riscos para transmissão de doenças infecciosas são considerados mínimos.”

Em um post publicado no Facebook, uma usuária da rede relatou o episódio que, segundo ela, teria ocorrido com uma amiga, que é médica. Ela afirma que por volta das 17h, ambas caminhavam pela avenida quando um homem injetou uma agulha nas costas da mulher.

“Ela sentiu uma pressão nas costas mas não percebeu que havia sido fincada com uma agulha. O homem passou calmamente a seu lado, escondendo o material e na sua frente perfurou a garota que estava andando em frente a ela no bumbum”, escreveu.

Em post no Facebook, amiga relatou agulhada sofrida por amiga na Av. Paulista (Foto: Reprodução/Facebook)Em post no Facebook, amiga relatou agulhada sofrida por amiga na Av. Paulista (Foto: Reprodução/Facebook)

 

DEIXE UMA RESPOSTA