Médica baleada em hospital tem morte confirmada.

0

Milena Gottardi Tonini Frasson levou um tiro na cabeça quando saída de um plantão no Hospital das Clínicas, em Vitória. O caso está sendo investigado.

A médica Milena Gottardi Tonini Frasson teve morte confirmada pela equipe médica do Hospital Cias Unimed, onde estava internada, de acordo com o último boletim divulgado às 17h15 desta sexta-feira (15). Ela foi baleada na cabeça na noite desta quinta-feira (14). A família autorizou a doação das córneas de Milena.

Segundo a assessoria de imprensa da Unimed, Milena morreu por “edema cerebral difuso (por conta da extensão do dano), às 16h50. A Unimed disse que o corpo será encaminhado para o Departamento Médico Legal (DML) para liberação da família”. A direção do Hospital Unimed lamentou o falecimento precoce da médica.

A vítima saía de um plantão no Hospital das Clínicas, em Vitória, acompanhada de uma colega quando, ao chegar ao carro, foram abordadas por um homem, que inicialmente exigiu pertences e chaves do veículo. Sem que as duas reagissem, ele atirou três vezes e uma bala acertou a cabeça de Milena.

A médica foi socorrida em estado gravíssimo e foi submetida a uma cirurgia na noite desta quinta. Depois, ela foi transferida para um leito de UTI, onde passou uma madrugada instável. No fim da manhã desta sexta, ela entrou em estado de coma e parou de responder a estímulos.

Investigação

O caso está sendo investigado na Delegacia Especializada em Homicídios Contra a Mulher (DEHCM). Testemunhas já foram ouvidas e a cena do crime foi periciada. As equipes de investigação foram reforçadas no objetivo de capturar o criminoso.

Pelo crime ter ocorrido na área de uma instituição federal, a Polícia Federal foi questionada sobre não participar das investigações. A resposta foi que a PF só apura crimes contra a União.

Protestos

Amigos e parentes fazem ato em frente a hospital (Foto: Roger Santana/ TV Gazeta)
Amigos e parentes fazem ato em frente a hospital (Foto: Roger Santana/ TV Gazeta)

Amigos e familiares da médica baleada em frente ao Hospital das Clínicas (Hucam), em hospital de Vitória, no Espírito Santo, fizeram uma homenagem à profissional na tarde desta sexta-feira (15). Além de homenagear Milena Gottardi Tonini Frasson, de 38 anos, eles também pediram por paz no Estado. O ato terminou por volta das 16 horas da tarde.

O grupo composto por dezenas de pessoas fez uma roda em frente ao Cias, o Hospital da Unimed, na Avenida Leitão da Silva, em Vitória. Em um momento, todos ficaram em silêncio e finalizaram a homenagem com palmas e soltaram de balões brancos no ar, pedindo paz no Estado.

A médica do Hospital Infantil, Isabel Carvalho, afirma que o momento foi para demonstrar o que os amigos, familiares e colegas sentiam pela médica.

“Foi o desejo do fundo do nosso coração em fazer uma demonstração do amor que temos pela Milena, porque ela não é qualquer pessoa. Era uma médica excelente, carinhosa, diferenciada no tratamento com a equipe e com os pacientes. Esses pacientes, inclusive, que sofriam muito, na hematologia e na oncologia. Então a gente não podia deixar de manifestar e trazer esse conforto através da demonstração de amor para ela e a família dela”, declarou.

A médica, no entanto, explica que a insatisfação da segurança vale para qualquer violência contra inocentes. “É claro que a gente vai ficar muito inconformado com a morte de um inocente. E a gente sempre fica assim quando acontece. É um absurdo essa situação. É inaceitável”, lamenta.

Manifestação contra a insegurança em frente ao Hucam, em Vitória (Foto: Kaique Dias/CBN Vitória)
Manifestação contra a insegurança em frente ao Hucam, em Vitória (Foto: Kaique Dias/CBN Vitória)

Mais cedo, pela manhã, profissionais e estudantes da área da saúde organizaram um protesto contra a insegurança, em frente do Hospital Universitário Cassiano Antonio Moraes (Hucam), em Maruípe, Vitória. A manifestação foi marcada após o crime contra a médica Milena Gottardi Tonini Frasson.

O enfermeiro Manoel Ferreira, de 54 anos, contou que foi agredido e sofreu uma tentativa de assalto há poucos meses, dentro da área do hospital.

“Busquei todos os meios de atendimento, de socorro, dentro da área do hospital, mas não me deram assistência. Consegui ajuda da Polícia Militar, que prendeu o assaltante, mas na delegacia ele foi liberado. A direção do hospital tem conhecimento desses casos, mas nada foi feito. São coisas que acontecem no nosso dia a dia e que a gente não entende, tem uma guarita que serve só de enfeite. Tenho colegas que já foram assaltados na área do hospital também, nosso efetivo de segurança é muito deficitário”, alegou.

Por nota, a Administração Central da Ufes informou que o Centro de Ciências da Saúde, no campus de Maruípe, conta com 95 câmeras fixas. Há ainda vigilantes terceirizados e do quadro da Universidade, que atuam 24 horas no monitoramento das câmeras e na área física do Centro.

Quanto à área do Hospital Universitário Cassiano Antonio Moraes (Hucam), a Ufes esclareceu que nela atuam vigilantes ligados à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), criada pelo Governo Federal para gerir os hospitais universitários e com competência para administrar o espaço interno e externo do hospital (incluindo a iluminação), contando com orçamento próprio.

Quando necessário, é solicitado o reforço da Polícia Militar que, por meio de parceria firmada com a Secretaria Estadual de Segurança Pública, realiza rondas na região, e também nos campi de Goiabeiras e São Mateus.

A Ebserh, no entanto, disse que possui um contrato com a Ufes para fazer a gestão do Hucam, que está em fase de transição. “O que significa que a Ebserh não tem a gestão plena do referido hospital. A Ebserh esclarece ainda que o contrato de prestação de serviço de vigilância vigente foi firmado entre a Ufes e a empresa prestadora do serviço”, disse em nota.

Manifestação em frente ao Hucam, em Vitória (Foto: Kaique Dias/CBN Vitória)
Manifestação em frente ao Hucam, em Vitória (Foto: Kaique Dias/CBN Vitória)

CRM

O presidente do Conselho Regional de Medicina (CRM) do Espírito Santo, Carlos Magno Pretti Dalapicola, disse ao portal Gazeta Online ficou surpreso ao saber que a médica Milena Gottardi Tonini Frasson havia sido baleada na saída de um plantão no Hospital Universitário Cassiano Antonio Moraes (Hucam), em Vitória.

“É uma lástima. Muitos colegas que trabalham em periferias reclamam de agressões verbais e até físicas, como foi o caso do PA de Alto Lage. Mas acho que a gente nunca tinha tido uma experiência tão ruim. A gente lastima muito essa situação. Os cidadãos estão inseguros até nos seus locais de trabalho”, disse.

Sindicato dos médicos

O presidente do Sindicato dos Médicos do Espírito Santo (Simes), Otto Baptista, classificou o crime contra a médica Milena Gottardi Tonini Frasson como “tragédia desesperadora”.

“Não por falta de aviso. Um colega de profissão sofreu uma violência em seu ambiente de trabalho, um atentado contra sua vida. Em meio a esse caos, a essa desesperadora tragédia, buscamos apoiar a família da profissional de medicina que coloca sua vida em risco diariamente para salvar a vida de seu próximo”, afirmou Otto.

O Simes também fez questionamentos aos órgãos públicos sobre a falta de segurança nos hospitais, amplamente denunciada por médicos e também pela entidade.

“Qual a solução para este problema? Até quando um médico terá que colocar, literalmente, sua vida em jogo para cuidar de seu povo? A violência está escancarada, a segurança já não existe e a população ficará desassistida até que as providências sejam tomadas.

O crime

Médica é baleada ao sair do Hospital das Clínicas, em Vitória
Médica é baleada ao sair do Hospital das Clínicas, em Vitória

De acordo com informações iniciais de testemunhas, a médica foi baleada no que seria uma tentativa de assalto. A Polícia Civil está investigando o caso.

Uma funcionária que testemunhou o crime contou à TV Gazeta que as duas saíam juntas do hospital e estavam chegando perto do carro da vítima quando um homem as abordou.

“Depois que batemos o ponto, eu me ofereci para acompanhar ela até o carro, para ela não ir sozinha. Quando passamos, tinha um rapaz parado em pé, com o rosto descoberto, normal, mexendo no celular se não me engano. Ao chegarmos ao carro, ela abriu o porta-malas, jogou a bolsa dentro, e em questão de segundos o rapaz nos abordou. Ele falou ‘passa o celular, passa a chave e as duas pra dentro do carro, já'”, lembrou a colega.

A funcionária disse que percebeu que o criminoso estava confuso e que disparou os tiros mesmo sem qualquer reação delas.

“Nos viramos para entrar dentro do carro e não falamos nada, apenas obedecemos. Foi nessa hora que ele pegou e deu três disparos. Eu estava de frente pra ele, mas ela estava entrando no carro na hora, então ela caiu de frente. Na mesma hora ele já pegou uma moto e desceu a ladeira a mil. Na hora eu não percebi direito que ela tinha sido baleada, achei que ela tinha se abaixado”, disse.

A colega acredita que o criminoso não mirou na médica Milena. “Como ela é mais alta, acho que ela ficou mais exposta. Nós estávamos coladinhas, juntas pra entrar no carro”, falou.

A vítima recebeu os primeiros socorros no local e foi levada de ambulância para o hospital particular de Vitória em estado grave, segundo a Polícia Militar.