‘Assistimos a um estupro institucional do Ministério Público venezuelano’, diz Janot

0
Rodrigo Janot participou de evento com procuradores da República sul-americanos. (Foto: Reprodução/TV Globo)

Procurador-geral brasileiro condenou destituição de colega da Venezuela Luisa Ortega Díaz. Ela viajou para Brasília e nesta quarta participou de evento com Janot.

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, condenou nesta quarta-feira (23), de forma veemente, a destituição da ex-procuradora-geral da Venezuela Luisa Ortega Díaz do cargo pela Assembleia Constituinte controlada pelo presidente Nicolás Maduro.

Janot deu a declaração ao lado de Ortega Díaz, que chegou a Brasília na noite desta terça (22).

“Assistimos a um estupro institucional do Ministério Público venezuelano”, disse Janot, em reunião com representantes dos Ministérios Públicos dos países do Mercosul – do qual participam Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai, Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, Guiana, Peru e Suriname.

Janot diz, em evento, que MP da Venezuela foi alvo de
Janot diz, em evento, que MP da Venezuela foi alvo de “estupro institucional”

Antes dos discursos, a ex-procuradora venezuelana recebeu cumprimentos de seus pares. Além de ter sido destituída do cargo, ela também perdeu o direito de exercer qualquer cargo público, teve os seus bens congelados e foi impedida de sair da Venezuela. Depois, fugiu do país com o marido e, segundo o presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, está sob proteção do vizinho sul-americano.

Em sua fala, Janot disse que a autonomia do MP venezuelano foi “arruinada” com a “destituição ilegítima” de Díaz.

“Ato ilegal afetava de forma direta todos os habitantes daquele país, pois passaram a contar com uma instituição subjugada a um verdadeiro poder político ditatorial […]Sem independência, o Ministério Público do nosso vizinho ao norte não tem mais condições de defender os direitos fundamentais das vítimas e acusados, nem de conduzir com objetividade investigações criminais ou de atuar em juízo com isenção”, afirmou.

Janot informou que os MPs da região passaram a não reconhecer o órgão venezuelano pelo fato de passar a ser dirigido por pessoas designadas “ilegal e arbitrariamente” pela Assembleia Constituinte “ilegítima, ela mesma escolhida num processo eleitoral recheado de suspeitas de fraudes”.

A ex-procuradora da Venezuela, Luisa Ortega, na chegada  ao Brasil (Foto: Reprodução/TV Globo)
A ex-procuradora da Venezuela, Luisa Ortega, na chegada ao Brasil (Foto: Reprodução/TV Globo)